O tema da sororidade tem vindo a ganhar força no "Big Brother" desde a passagem de Ana Catharina pelo "BB2020". Na nova edição do formato, Ana Morina assume que essa é a sua "causa" e que pretende ser uma voz feminina firme no jogo.

A Pipoca Mais Doce sobre concorrentes do "Big Brother": "A única causa que defendem é a própria"
A Pipoca Mais Doce sobre concorrentes do "Big Brother": "A única causa que defendem é a própria"
Ver artigo

No Twitter, os internautas já compararam as concorrentes, mas alegam que defendem "coisas bem diferentes" e pedem que Ana Catharina vá à casa explicar o conceito. A MAGG falou com a ex-concorrente do reality show para saber a sua opinião sobre a forma como Ana Morina tem defendido a união entre as mulheres.

Ana Catharina começa por explicar que "a sororidade é um tema que deve ser vivido na prática, nas pequenas ações, nos elogios do dia a dia, na irmandade" e "não só em nomeações". Para a finalista do BB2020, o "Big Brother" "é uma atmosfera tão competitiva", com "muita coisa" para "viver a sororidade" como "apoiar umas às outras" e "trocar experiências", mas passa, também, por "não julgar a forma como as outras estão ali a lidar com tudo".

"Acho que a sororidade é uma vivência, não só um discurso", refere Ana Catharina, que vai lançar um livro sobre este assunto até ao final de 2021. Apesar de acreditar "que as intenções [de Ana Morina] sejam lindas" e de se sentir feliz por "saber que esse discurso" ainda permanece "na televisão portuguesa", a ex-concorrente do reality show acha que "a causa já virou produto do Aliexpress".

"Não se deve impor nada, até porque se você impõe já perdeu o propósito"

"Acho que está aí o problema, quando a pessoa olha para uma causa de forma cega", diz Ana Catharina. No caso da sororidade, sente que "todos falam sobre a causa", mas questiona: "onde estão as atitudes quotidianas?" A finalista do BB2020 considera que se alguém "quer mostrar que a sororidade é um caminho para a paz e a união", "não vai ser impondo a sua forma de ver e obrigando que todas ajam de acordo com o seu ponto de vista que conseguirá". "Não se deve impor nada, até porque se você impõe já perdeu o propósito", ressalva.

Ana Catharina acrescenta que "sororidade vai muito além disso" e exemplifica: "apoiar o trabalho de outras mulheres, apoiar pequenos negócios produzidos por mulheres, estender a mão para quando uma mana precisa de um lar, ouvir sem julgamento o que uma mulher nos confia e, óbvio, respeitar as diferenças, isso é sororidade".

Recorde-se que Ana Morina tem manifestado a sua intenção em não nomear mulheres. Contudo, na gala de domingo, 19, disse que Ana Barbosa, por a ter nomeado, estaria "fora do jogo", "fora dessa sororidade".

A Pipoca Mais Doce sobre concorrentes do "Big Brother": "A única causa que defendem é a própria"
A Pipoca Mais Doce sobre concorrentes do "Big Brother": "A única causa que defendem é a própria"
Ver artigo

No BB2020, Ana Catharina adotou, durante quase todo o jogo, a posição de não nomear mulheres. Numa gala em que não era permitido nomear homens, Ana Catharina recusou-se a fazer nomeações, alegando que preferia sair a nomear uma mulher. Recorde o momento.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.