Vestida de noiva mas solteira e sem vontade de casar. A MAGG publica em exclusivo a produção fotográfica que Joana Albuquerque fez para uma marca de vestidos de noiva. A vencedora do "Big Brother - Duplo Impacto" revela quais os seus planos profissionais e admite que ter tornado pública a reconciliação com Bruno Savate foi um passo que deveria ter sido mais bem pensado.

A designer de moda e o empresário, recorde-se, começaram a namorar no reality show da TVI, tendo-se separado ainda dentro do programa. Já cá fora, estiveram de costas voltadas mas, a 20 de abril, assumiram no "Cristina ComVida" estarem novamente juntos. Duas semanas depois, Joana confirmava o fim definitivo do namoro. 

Como foi ver-se vestida de noiva?
Vou ser sincera. Praticamente não me vi vestida de noiva porque não havia espelhos (risos)! Só vi alguns stories e as fotografias.

Se algum dia casasse, que tipo de vestido escolheria?
Não faço ideia, ainda não penso muito nessas coisas.

Seria a Joana a desenhar o seu vestido?
É muito provável que fosse para lá mandar uns bitaites.

Passaram oito meses desde que entrou pela primeira vez no "Big Brother". Já consegue fazer um balanço do impacto que teve na sua vida?
Acho que não. Acho que ainda estou numa fase de transição para a vida normal, tendo em conta que tive uma experiência muito mais duradoura do que alguns dos meus colegas. Como estive fechada 26 semanas e cinco dias, ainda estou a adaptar-me.

Eu sei que essa fase de adaptação não vai durar para sempre porque agora tenho alguns trabalhos com parcerias, que espero que não acabem tão cedo. A verdade é que ainda não consegui avaliar as mudanças que isto teve na minha vida a curto prazo porque eu ainda estou muito a curto prazo.

Nota isso em coisas do dia a dia?
Talvez aos barulhos muito altos. Por exemplo, quando saí do "Big Brother - A Revolução", estava a ouvir um cão a ladrar e fez-me imensa confusão porque, lá dentro, não temos barulhos muito altos. Não é que não me tenha adaptado mas estou a viver uma vida que não vai ser para o resto da vida. Tenho noção disso e tenho noção de que tenho de trabalhar.

Sente que, nesta fase de readaptação, o facto de ter uma rede de apoio grande, não só familiar como de amigos, tem sido importante para ter os pés na terra?
Eu sou mesmo assim, sou muito pés assentes na terra. Claro que sonho, claro que tenho expectativas que, às vezes, são desmedidas em relação à realidade. Mas não tenho tendência para me deslumbrar além do limite aceitável. Tenho plena noção de que isto não vai ser para sempre. Claro que, ao trabalhar o meu Instagram, quero que isto dure o máximo de tempo possível, até porque eu gosto muito de trabalhar com redes sociais. Não é pelos patrocínios nem pelo dinheiro, até porque eu já fazia isto antes.

Quando esteve no programa de Manuel Luís Goucha, disse que estava a criar uma linha de merchandising.
Sim, da minha marca. Vou fazer sweat shirts, T-shirts e mais dois artigos que ainda não posso revelar. Será numa fase inicial. Como sou uma pessoa cautelosa, não vou estar a fazer um investimento grande logo de início.

Quanto à sua carreira de designer, que planos gostaria de concretizar?
Neste momento estou a fazer merchandising porque sinto que é uma opção segura. Como sei que isto não vai durar para sempre, este é o momento para lançar uma linha de merchandising. O meu objetivo com isto é conseguir mais capital para poder eventualmente investir numa coleção de roupa desenhada por mim e confecionada, do princípio ao fim, em Portugal. Óbvio que os preços não vão ser agradáveis a toda a gente mas eu estudei design de moda e tenho plena noção de que a sustentabilidade é a chave para o nosso futuro. Como é lógico, os produtos vão ser caros mas o investimento também o vai ser.

O objetivo é sensibilizar as pessoas a comprarem menos e melhor?
Sim. Talvez a comprarem peças que não sejam tão de modas. Por exemplo, fui ao centro comercial, estive a ver as coleções de fast fashion e vi que aquilo já esteve na moda em 2006, 2007. Houve ali design, umas ideias refrescantes mas, daqui a um ano, aquela peça vai ser de moda e vai ser um mono de plástico - porque a maior parte dos tecidos são poliéster - no nosso armário. Para quê?

Acho que é preferível as pessoas comprarem peças um bocadinho mais clássicas. É nesse registo que gostava de fazer as coisas. Claro que gostava de desenvolver peças de festa, porque eu adoro ir sair à noite, mas também gostava que fosse, por exemplo, um vestido que desse para usar em várias ocasiões. Peças versáteis, que se possam alterar. Acho que esse é o caminho para onde devemos seguir.

Sobre Savate: "Acho que, no futuro, podemos ser cordiais"

A 20 de abril, a Joana e o Bruno Savate foram ao programa de Cristina Ferreira revelar que estavam reconciliados. Duas semanas depois, a Joana confirma que o namoro tinha terminado. Em retrospetiva acha que a ida ao "Cristina ComVida" foi uma decisão precipitada?
Não porque naquele momento fazia sentido. Mas eu também não conseguia prever que isto fosse acontecer. Não estava a prever um desentendimento que, na minha ótica, foi repentino para a altura da relação em que nós estávamos. Eu não estava a prever nada disto, não estava à espera. Não foi um erro ter ido à Cristina mas, se calhar, devia ter pensado um bocadinho melhor. Não sei.

Savate e Joana confirmam reconciliação. "Tinha saudades dele e achava que ele também tinha minhas"
Savate e Joana confirmam reconciliação. "Tinha saudades dele e achava que ele também tinha minhas"
Ver artigo

A Joana sempre colocou muita fé nesta relação mas as coisas acabaram por não correr como queria.
Por acaso não acho. Dentro do programa nós temos uma perspetiva diferente e, cá fora, eu quis experimentar. E, pelo menos, não morri burra. Não posso dizer que não tentei. Eu tentei e não resultou. E não faz mal.

Fica triste por, neste momento, não conseguir manter uma relação cordial com o Bruno?
Claro que tenho pena mas acho que, no futuro, podemos ser cordiais. Não houve razões para não haver uma cordialidade entre os dois.

Acha que ele tem de fazer um percurso, a nível emocional, só dele para estar bem, seja consigo seja com quem for?
Tanto ele, como eu. Se não estava destinado, não estava.

Estando solteira, está disponível a abordagens amorosas?
Eu tenho um círculo muito fechado. Todos os rapazes com quem me dou são e sempre foram meus amigos. Não sou muito de ter esse tipo de abordagens. Claro que vou recebendo umas mensagens no Instagram mas ficam lá pendentes (risos)! Eu agora estou mais focada no meu trabalho do que propriamente nisso.

Que lições tira destes oito meses de exposição pública?
Tirei uma grande lição de empatia pelo próximo. Por mais que seja estranho, ganhei muito mais confiança em mim. E aprendi a compreender mais o lado dos outros, que não há o certo e o errado. Essa noção que temos de senso comum - claro que há coisas que são certas e erradas - mas, por exemplo, a opinião sobre determinado assunto: não há uma pessoa que esteja 100% certa e outra 100% errada. Isto quando estamos a falar de situações ambíguas, claro.

Se a convidassem, participaria num terceiro reality show?
Sim, iria sem problema algum. Claro que depende do contexto. Essas coisas de encontrar o amor não são para mim. Mas estou super entusiasmada para que haja uma "Quinta das Celebridades", adorava. Para me desafiar porque tenho plena noção de que não iria gostar a 100%. Ia ter imensa piada ver a minha própria reação àquelas situações.

Com quem gostaria de ir para uma "Quinta das Celebridades"?
Com a Jéssica Fernandes. Ela é assim toda louca, tem uma personalidade engraçada para estar lá. Talvez também com o Carlos, do "Big Brother - A Revolução".

Cabelos: Pedro Ribeiro
Maquilhagem: Nuno Andrade
Vestidos/Styling: Gri-Gri Noivas

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.