Basta abrir o Google e somos surpreendidos com um fogo de artifício virtual para compensar o facto de nem todos terem tido oportunidade de marcar presença no estádio de Wembley, na Inglaterra, limitado a 65 mil adeptos dos 90 mil que o estádio pode receber. Em tempo de pandemia, as restrições tiveram de ser impostas (e mesmo assim aconteceram alguns imprevistos, como o facto de vários adeptos quererem entrar sem bilhete), mas no fim da partida, o desempate favoreceu a equipa italiana, agora campeã do Euro 2020, sucedendo a Portugal (que conquistou o título no Europeu de futebol em 2016).

Quem não pode rumar ao estádio, pode agora rumar ao país da equipa do título que já não era alcançado há 53 anos. Itália é um país cheio de recantos encantadores, bem como de comida que por cá tentamos copiar — embora nada se compare às pizzas e queijos italianos. Nada disto poderia ser percorrido sem ficar alguns dias alojado em Itália e as propostas são tantas (e tão maravilhosas) que o difícil é eleger uma lista de opções. A escolha do alojamento fica do seu lado.

Não desconfie dos restaurantes de hotéis e conheça o Lima — e prove os profiteroles
Não desconfie dos restaurantes de hotéis e conheça o Lima — e prove os profiteroles
Ver artigo

Antes de ir, terá apenas de garantir que tem o seu certificado digital europeu, em formato digital ou em papel. Neste terá de contar uma prova de que realizou um teste à COVID-19 72 horas antes de viagem, com resultado negativo, que esteve infetado e recuperou da doença, ou que completou o processo de vacinação contra a COVID-19 há mais de 14 dias. Com tudo pronto, é então altura de conhecer o país dos campeões deste ano.

Onde ficar?

Sextantio

O tempo da idade da pedra parece estar de volta, mas só neste alojamento italiano. Chama-se Sextantio e fica na vila medieval fortificada Santo Stefano di Sessanio. O alojamento construído a uma altitude de 1.250 metros e faz lembrar a série "Guerra dos Tronos". Isto porque os quartos foram construídos no meio das paredes de pedra e dos tetos em madeira originais e a decoração acompanha este ambiente medieval: há candeeiros antigos a petróleo, agora com uma lâmpada, lareiras antigas, cadeiras de madeira, e arcas que cumprem o efeito de decorar e não de guardar o enxoval como noutros tempos.

O Sextantio tem ainda um restaurante cujos chefs privilegiam pratos feitos com ingredientes colhidos nos campos das imediações (mais frescos será impossível).

Uma noite para duas pessoas custa a partir de 328€, com pequeno-almoço incluído. Reservas: matera@sextantio.it

Casa Olivi

Se as paredes em pedra davam um ar pesado ao alojamento anterior, neste tudo é leve. A Casa Olivi, em Marche, no leste da Itália, mantém os traços originais no exterior (com exceção da piscina infinita) e para dentro foi escolhida uma decoração moderna, com camas de colcha branca que transmitem a pureza deste lugar tão virgem, presente nos cinco quartos — quatro na casa principal e outro na guest house independente.

O alojamento oferece ainda várias experiências, desde uma visita guiada por Acqualagna, um jantar italiano feito por Gianna, com direito a lasanha vincesgrassi (típica em Marche) e tiramisù, ou jantar de estrela Michelin em casa, preparado pelos chef galardoados da Casa Olivi.

Uma noite para duas pessoas em julho e agosto custa a partir de 9.500€ por semana. Em setembro, o valor é desde 7.500€ por semana. Reservas: heaulme@hotmail.com

Hotel Il Pellicano 

Depois de dois conceitos mais simples e ao mesmo tempo diferentes, para quem não dispensa um hotel e todas as suas mordomias, como espreguiçadeiras em fila para as centenas de hóspedes, pequenos-almoços com ovos de todos os feitios e uma seleção de pastelaria na qual nos perdemos, ou quartos com vista para o mar, eis o Hotel Il Pellicano, no Porto Ercole, em Monte Argentario, na região da Toscana.

O hotel, destacado pela Forbes Travel Guide pela "elegância cinematográfica na costa Argentario", é um cinco estrelas que oferece muitas mais à noite quando o céu estrelado convida a mergulhar na cama dos quartos de luxo (50 no edifício principal e 27 em seis chalés), com decoração típica e sofisticação que vai desde as três filas de almofadas nos sofás às casas de banho com paredes em mármore. No Hotel Il Pellicano a experiência continua lá fora na piscina e nas espreguiçadeiras viradas para o mar, bem como no restaurante Il Pellicano, cuja estrela (além da Michelin) é o peixe e marisco de origem local. Já o restaurante Pelligrill oferece gastronomia típica da região de Toscana.

Uma noite para duas pessoas custa a partir de 2.760€, com pequeno-almoço incluído. Reservas: reservations@pellicanohotels.com

Onde comer?

Ah, esta não será difícil. Por cada canto de Itália vai certamente encontrar um sítio para comer uma massa, pizza, um risotto ou beber um prosecco ou vinho tinto. Ah, e se para si é obrigatório comer uma daquelas massas servidas diretamente de um pedaço gigante de queijo, também as há em Itália — e nas nossas sugestões.

Começamos já por aí: no Trattoria Bruno Coppetta, com mais de 50 anos de história, são conhecidas como Cacio&Pepe del Coppetta. O restaurante em Úmbria não é famoso apenas por estas massas, da ementa fazem também parte iguarias como a carne preparada com todo o cuidado, desde o corte à confeção e que pode provar no prato La Fiorentina.

A viagem à mesa continua pelo L'Oca Bonda, em Impruneta, região da Toscana de Florença, restaurante que se destaca pelas pastas, como o esparguete com alho e camarão vermelho cru, ou o gnocchi com burrata, espargos e anchovas. Seja qual for o prato, há sempre bons vinhos italianos a acompanhar, bem como patos — pormenor que dá personalidade ao restaurante.

Como uma canção de Ópera, como a Turandot de Pavarotti que deu nome ao próximo restaurante de que lhe falamos — em Manarola, uma das localidades que fazem parte da Cinque Terre —, aqui uma refeição é pautada por diferentes intensidades e ritmos, conforme a explosão de sabores italianos na boca. No Nessun Dorma há alturas em que o cortar de uma burrata é tão gritante como se se tratasse de um ovo escalfado a escorrer sobre ervilhas com chouriço em Portugal, e outras em que as iguarias exigem uma degustação feita com calma. É o caso da tábua composta por queijos, enchidos, focaccia e azeitonas.

Depois de feita a degustação, pode seguir para um passeio de barco promovido também pelo Nessun Dorma, percorrer a rota dos vinhos, com prova (80€), ou inscrever-se na experiência na qual vai aprender a fazer pesto, provado posteriormente sobre uma bruschetta (50€).

O que visitar?

É escusado dizer que não pode ir a Roma sem ver o Papa, porque, se assim o entender, é um plano que já está no seu roteiro. Sem ser isso, pode afastar-se do locais mais turísticos e descobrir algumas maravilhas que também valiam um ditado semelhante. Por isso, siga as recomendações e, quando regressar e lhe pedirem dicas, adapte a frase à sua experiência: "Ir a Itália e não ver..."

... Centuripe, a cidade italiana da região da Sicília com forma humana, tal como a intervenção aqui feita para a cidade tornar-se habitável. Centuripe tem sofrido uma transformação cultural e exemplo disso é a nova exposição no Antiquarium, composta por 82 obras de arte contemporânea do final do século XIX. Estará disponível até 17 de outubro de 2021.

... a famosa Praça Navona, em Roma, e um edifício completamente coberto de vegetação numa rua paralela que tem sido alvo de olhares curiosos e ainda poucas lentes fotográficas. O edifício, na verdade, diz respeito ao Bio Hotel Raphael - Relais & Châteaux, um hotel de cinco estrelas cujos quartos têm camas sumptuosas e casas de banho revestidas em mármore. A unidade conta ainda com "o melhor terraço de Roma para bebidas antes do jantar", de acordo com um dos hóspedes na plataforma Booking.

.... o Lago di Braies, nas Dolomitas Prags, no Tirol do Sul, e mergulhar ou navegar nas águas límpidas a 1.496 metros acima do nível do mar. O lago fica no ponto mais a norte do Parque Natural Fanes-Senes-Braies e proporciona um cenário idílico, ideal para fotografias. Durante anos foi conhecido como a "pérola dos Alpes" pelos turistas que aqui vinham e procuravam conhecer a história do lago que nasceu devido ao deslizamento de rochas que deslocou o vale de Braies, formando um estreito onde se acumularam as águas do lago azul cristal.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.