E, num piscar de olhos, já faz seis meses que estou em viagem pelo mundo. A aventura continua, tal como o meu entusiasmo por partilhar com o leitor o que tenho estado a ter o privilégio de viver.

A publicação de hoje incide sobre um dos temas que mais tem suscitado perguntas desde que saí de Portugal: seguro de viagem. Se está a planear as suas próximas férias, dentro ou fora do país, acredito que este artigo vai ser-lhe útil. Hoje partilho consigo o meu testemunho, e também aquelas que considero serem as mais-valias da seguradora que escolhi.

Comecei a viajar sozinha na altura da faculdade e, sobretudo, quando fui de Erasmus para a Alemanha. Nesta altura, contei muito com o Cartão Europeu de Saúde, que sempre me pareceu suficiente. Mais tarde, começaram a interessar-me também as viagens em destinos fora da Europa, e nessa altura apercebi-me de que estava errada. O Cartão Europeu de Saúde cobre apenas os cuidados de saúde prestados no âmbito do serviço público do país onde nos encontramos, ou seja, não pressupõe o serviço privado, que nalguns caso é inevitável. Além disso, não abrange por exemplo situações de roubo ou despesas originadas por atrasos e cancelamento de voos.

Volta ao Mundo. Percorri parte dos Túneis Subterrâneos de Cu Chi, por onde passou a Guerra do Vietname
Volta ao Mundo. Percorri parte dos Túneis Subterrâneos de Cu Chi, por onde passou a Guerra do Vietname
Ver artigo

Por sorte, eu nunca tive um azar em viagem, mas contaram-me histórias que me mostraram como, de facto, não compensa arriscar viajar sem seguro. Por exemplo, fiquei a saber de um casal que viajou até à Austrália sem seguro, e um deles partiu uma perna. Ficou internado durante mais de um mês, e teve que pagar à volta de 50.000 mil euros. Sem assistência em viagem, não houve alternativa a não ser pagar. Por mais que procuremos informar-nos sobre o sistema de saúde do país para onde vamos, nunca sabemos cem por cento o que nos espera.

Em 2017, eu tive uma crise de hipertireodismo, que levou mais de um ano a tratar. Estou estável já desde 2018, mas esta doença é imprevisível e chega quando menos esperamos, por isso, continua a ser crucial estar atenta. Sou acompanhada por uma médica desde esta altura e, quando contei que ia viajar pelo mundo durante um ano, deu-me várias indicações e alertou-me também para a importância de garantir assistência em viagem.

Foquei-me em fazer uma pesquisa cuidada, pedi opinião a família e amigos, e depois de muito ponderar, concluí que a IATI Seguros é a seguradora com os melhores preços de mercado, tendo em conta as tipologias que apresenta e o que cada uma inclui. O que mais pesou nesta decisão, foi o facto de esta ser uma seguradora que cobre muito mais do que despesas relacionadas com saúde. A IATI considera outras coberturas para que possamos viajar tranquilamente. O site apresenta todas estas informações de forma muito clara, mas partilho de seguida aquilo que para mim é o mais importante.

Quais são as vantagens?

Assistência 24h. Para mim, este é um dos aspetos mais importantes, por causa da diferença de horários de país para país. É uma segurança saber que, perante uma emergência, independentemente da hora, posso recorrer à seguradora.

Telefone de assistência em viagem para residentes em Portugal: 00 351 218 716 202. Email: iatimedicosportugal@arag.pt. | Telefone de assistência em viagem para não-residentes em Portugal: 0034 93 485 77 35. Email: iatimedicos@arag.es

O facto de a assistência ser em português também é importante, porque por mais que eu esteja à vontade a falar inglês, não domino de certeza certos termos técnicos sobre saúde. E, no que diz respeito a este tema, de facto é fundamental garantir que a comunicação é fluída e que não há maus entendidos.

Os seguros não têm franquia, ou seja, não há um valor pré-definido que tenhamos que pagar à partida caso algo de mal nos aconteça.

A cobertura é transversal a todos os países do mundo, o que para mim é um descanso. Porque por mais que eu tenha um plano de viagem, sei bem que as alterações fazem parte, e também que as mudanças de rota são garantidas.

Vale mesmo a pena investir num seguro de viagem? A resposta é

O processo de contratação do seguro de viagem é 100% online e muito intuitivo. Para mim, este aspeto foi fundamental, porque a preparação da viagem teve os seus imprevistos e acabou por ser atribulada mais para o fim. Ter sido possível tratar do seguro de forma tão rápida e simples facilitou muito processos - foi tudo muito ágil e prático.

A cobertura abrange equipamentos eletrónicos. Este ponto não podia ser mais importante no meu caso, porque estou a trabalhar ao mesmo tempo que viajo, ou seja, tenho comigo equipamento de trabalho de elevado valor (exemplos: computador e máquina fotográfica). Por mais cuidado que tenha, sei que podem surgir avarias, ou até roubos. Saber que o seguro que contratei protege também estes materiais é um descanso.

Excelente cobertura COVID-19. A cobertura de assistência contra a COVID-19 é vigente durante toda a viagem em todos os seguros IATI. É importante verificar os limites disponíveis em cada seguro, mas a IATI apresenta opções que incluem, por exemplo, cobertura de testes PCR, deslocações efetuadas a propósito da doença, gastos médicos, viagem de um familiar em caso de hospitalização por COVID-19 e estadia em hotel devido a quarentena obrigatória, entre outros benefícios. Dica útil: caso a viagem seja feita em casal ou em grupo, vale a pena colocar o número total de pessoas em viagem no momento da contratação do seguro. Desta forma, todos os viajantes do grupo terão a mesma apólice. Porque é que é vantajoso? Tenhamos em conta este exemplo prático: um dos membros do grupo testa positivo à COVID-19 e todos os outros, embora negativos, estão também em quarentena, por terem estado em contacto com um positivo. Sendo a apólice a mesma, a cobertura é geral a todos os membros do grupo. O processo é automático, o que torna tudo mais simples.

Responsabilidade Civil. Ao longo desta viagem tem sido importante alugar carros, e até motas (embora eu não seja a maior fã, às vezes não há alternativa). Caso haja um acidente que envolva terceiros e, por algum motivo, me seja cobrada uma indemnização, a IATI cobre esse valor. Eu não me tinha lembrado deste ponto, mas quando comecei a estudar este tema, percebi que este tipo de situações pode sair muito caro.´

Não há limite de idade, exceptuando na tipologia IATI Mochileiro, o que também me seduziu, porque quero muito que familiares marquem viagem para vir ter comigo.

Tipologias de seguro

A IATI dispõe de dez diferentes tipologias de seguro, a pensar nas diferentes necessidades do consumidor. Apresenta soluções ideais para quem prefere viajar dentro do país, para quem é fã de aventura, para quem estuda, para famílias e ainda para aqueles que, como eu, terminam uma viagem já a pensar na seguinte. A IATI prevê ainda aqueles imprevistos que acabam por impedir que determinada viagem se concretize, mesmo quando já está tudo comprado (voo e hotel).

Por acreditar tanto neste serviço, do qual estou a usufruir desde que saí desde março deste ano, decidi tornar-me afiliada IATI. Isto significa que qualquer pessoa que avance com a compra de seguro(s) de viagem através deste link, terá 5% de desconto.

Vale mesmo a pena investir num seguro de viagem? A resposta é

O seguro pelo qual optei é o IATI Mochileiro, por ser aquele que mais se adequa ao género de viagem que estou a fazer. Contudo, este desconto aplica-se a todos os seguros de viagem da companhia.

Caso tenha alguma dúvida ou sugestão, não hesite a contactar-me por e-mail ou mesmo pelo Instagram, onde estou também a partilhar sobre esta minha aventura.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.