A clínica MoveOn Fisio combina fisioterapia, osteopatia, pilates e reeducação postural de modo a proporcionar um tratamento global. Depois da inauguração no Estádio Universitário de Lisboa, este ano, abriram um novo espaço, que fica junto à Avenida de Berna, também na capital.

Ambas as clínicas funcionam apenas em dias úteis das 8 horas às 20h30. A MAGG conversou com a fisioterapeuta Tânia Vieira para perceber de que forma o pilates aqui praticado difere do restante (e quais as vantagens da modalidade). Está em causa um pilates clínico.

Amplify. Este novo ginásio com aulas de cycling e ioga até tem um bar com bebidas saudáveis
Amplify. Este novo ginásio com aulas de cycling e ioga até tem um bar com bebidas saudáveis
Ver artigo

"Num pilates dito 'normal, o foco não é tanto a postura, a correção ou a ativação muscular. No pilates clínico, adaptamos a possíveis patologias ou dificuldades, à condição que a pessoa tem. Não é feito para todos de forma igual", começou por explicar a fisioterapeuta.

"No ginásio, num pilates 'normal', toda a gente faz o mesmo. Aqui, não é assim: adaptamos os exercícios para que a patologia não piore. É algo mais virado para a condição física da pessoa. O outro é mais fitness", compara a fisioterapeuta.

No pilates clássico, inventado por Joseph Pilates, há máquinas envolvidas. "Era uma ordem muito fixa, onde, do início ao final da aula, têm de fazer aqueles exercícios, quase como uma coreografia. Com o passar do tempo, houve necessidade de criar o pilates moderno, mais adaptado", continua Tânia Vieira.

Agora "mais individualizado", este tipo de pilates concede aulas que são sempre "completamente diferentes". "Conseguimos perfeitamente fazer uma aula adaptada, mais puxada, mais calma, dentro dos gostos, vontades e necessidades de cada pessoa", explicaram à MAGG.

Porém, o pilates não é solução para todos. Antes de começar qualquer aula de pilates na MoveOn Fisio, é preciso fazer uma sessão de avaliação, que consiste numa conversa entre o terapeuta e o paciente, para perceber os objetivos e as patologias. "Em conjunto, percebem se o pilates é a melhor decisão para a pessoa", conclui a fisioterapeuta.

No caso de se verificar algo benéfico, avançam para uma avaliação postural, que serve como preparação, um género de "ensino de como se posicionar durante as aulas para realizar os exercícios de forma correta". É recomendável praticá-lo entre uma a duas vezes por semana, sendo três vezes o ideal, acumulando com outra modalidade.

Este estúdio de pilates inserido numa clínica de fisioterapia tenta "ir à consciência corporal". "A maior vantagem é passar por todas as componentes: conseguimos tanto trabalhar força como mobilidade, flexibilidade e a parte postural. Para ser funcional, o corpo tem de trabalhar todas estas modalidades", alerta a fisioterapeuta.

A faixa etária recomendável para a prática vai "dos 14 aos cento e muitos". Além do pilates clínico, a clínica MoveOn Fisio também disponibiliza a vertente de pilates com máquinas. Cada sessão de 45 minutos custa 47€, em horário à escolha, podendo agendá-la online.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.