O bebé norte-americano nasceu ao fim de 21 semanas de gestação, a 5 de julho de 2020, no Estado do Alabama. As 420 gramas que pesava não deixavam dúvidas aos médicos, que consideravam que Curtis Means teria menos de 1% de probabilidade de sobrevivência.

Curtis agarrou-se a esse 1% e hoje, passado mais de um ano, é um bebé saudável, de acordo com os médicos. A sua irmã gémea, C'Asya, ao contrário de Curtis, não sobreviveu ao nascimento prematuro e morreu no dia seguinte ao parto. Depois de nascer, Curtis esteve três meses ligado a aparelhos. Só assim conseguia respirar. Teve de ser ensinado a respirar e a usar a boca para comer, com o auxílio de terapeutas. Foram nove meses, mais precisamente 275 dias, no hospital.

O seu bebé começou a dormir mal de repente? A culpa não é sua — e este livro é a prova disso
O seu bebé começou a dormir mal de repente? A culpa não é sua — e este livro é a prova disso
Ver artigo

Hoje, Curtis continua a precisar de assistência para respirar e comer, alimentando-se através de um tubo. Nasceu 19 semanas antes do período previsto numa gravidez normal (40 semanas) e foi imediatamente encaminhado para os cuidados intensivos. A mãe do bebé, Michelle Butler, garantiu que vai “lembrar-se para sempre” do momento em que pôde “levar Curtis para casa” e surpreender os seus três filhos mais velhos.

Bebé prematuro
créditos: https://abc7ny.com/premature-infant-guinness-record-curtis-means-set/11221568/

O médico neonatalogista que supervisionou o parto de Curtis, o Dr. Brian Sims, não escondeu o espanto ao Guiness World Records: “Estou a fazer isto há quase 20 anos, mas nunca vi um bebé tão novo ser tão forte como ele era. Havia algo de especial no Curtis”.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.