Não foi uma noite memorável, inesquecível, mas foi uma ótima noite para os restaurantes portugueses. Esta terça-feira, 22 de novembro, foram anunciados em Espanha os vencedores das estrelas Michelin e Portugal não só não perdeu nenhuma das estrelas que tinha como conseguiu juntar mais 5 novos espaços à lista de restaurantes distinguidos, que passou assim de 33 para 38. A noite foi também de pequenas vitórias, com a conquista da primeira estrela ibérica para um restaurante vegetariano (o Encanto, de José Avillez), o primeiro asiático (Kanazawa, de Paulo Morais) e com várias distinções na categoria bib gourmant, que distingue os espaços com a melhor relação qualidade preço.

Talvez o grande vencedor da noite seja um habitué destas coisas, o chef José Avillez. Isto porque não perdeu nenhuma das duas estrelas que tinha no seu restaurante âncora, o Belcanto, como conseguiu juntar mais uma ao currículo, agora para o vizinho do lado, o Encanto. O mais relevante é mesmo o facto de o Encanto ser o primeiro restaurante 100 por cento vegetariano a receber uma estrela em toda a Península Ibérica.

A grande surpresa da noite, para Portugal, deverá mesmo ter sido a distinção do restaurante asiático Kanazawa, de Paulo Morais. O restaurante acolhe o nome do seu criador, Tomoaki Kanazawa, um dos grandes chefs japoneses que passaram por Portugal, fundador do Tomo, em Algés. Após deixar este espaço, criou o Kanazawa mas, em 2017, deixou-o a Paulo Morais, que agora conseguiu a primeira estrela Michelin para o restaurante asiático. Igualmente surpreendente terá sido a estrela que aterrou no Kabuki Lisboa, outro asiático, mas que pertence a um grupo espanhol do mesmo nome, e que tem à frente o chef Paulo Alves.

Um projeto de reinterpretação da cozinha portuguesa de autor também convenceu os avaliadores Michelin, que premiaram o Euskalduna Stúdio e a mão do chef Vasco Coelho Santos. O espaço da Baixa do Porto, com um menu de degustação de 10 pratos, é outra das surpresas na lista de novos espaços premiados. A noite ficou um bocadinho mais colorida quando o chef viu ainda o seu outro projeto, o Semea by Euskalduna, receber uma distinção Bib Gourmand, que premia os restaurantes com melhor relação qualidade/preço (ler mais abaixo).

A quinta nova estrela também ficou na baixa do Porto, mas desta vez na mão de um chef francês, Julien Montbabut, que lidera a cozinha do Le Monument, um dos restaurantes do hotel com o mesmo nome.

Os prémios para a melhor relação qualidade/preço

Uma das categorias mais valorizadas por quem não tem capacidade financeira para ir com regularidade a um restaurante com estrela Michelin é do Bib Gourmand, que distingue os melhores restaurantes pela relação qualidade/preço. Uma das condições é a de que os menus não excedam os 35 euros. E também aqui houve boas notícias para Portugal, com 7 novos restaurantes a integrarem as escolhas dos inspetores Michelin.

Dois reconhecidos chefs viram projetos seus distinguidos. Ljubomir Stanisic conseguiu uma distinção para o seu Carnal Gastrobar, no Chiado, Lisboa, especializado em tapas mexicanas, e que tem à frente o chef Luís Ortiz. Stanisic teve uma dupla vitória, já que conservou a estrela que já tinha no 100 Maneiras. Outra chef que levou uma distinção Bib Gourmand foi Marlene Vieira, que está à frente do Zunzum Gastrobar, no Jardim do Tabaco, mesmo em frente ao Tejo. Na baixa de Lisboa fica o Ofício, que se auto-intitula de "tasco atípico", também ele distinguido com o selo Bib Gourmand.

No coração da baixa do Porto, na Rua de Santa Catarina, fica outro dos spots que convenceram os inspetores, o Gruta, comandado pela chef Rafaela Louzada. Também no Porto, o Semea by Euskalduna, como referido mais acima, levou a distinção. Um pouco mais a norte, em Vila do Conde, o Rio by Paulo André foi outro dos spots a convencer os inspetores Michelin, que distinguiram o espaço de fine dinning com um Bib Gourmand.

O único restaurante a sul a conseguir esta distinção foi o À Mesa, do chef João Dias, em Tavira.

As estrelas verdes

A notícia menos boa da noite, terá sido o facto de Portugal ter conquistado apenas uma nova estrela verde, distinção que premia o processo gastronómico mais sustentável, amigo do ambiente e contra o desperdício. O escolhido foi o Mesa de Lemos, em Passos de Silgueiros, Viseu, que em 2019 recebeu a sua primeira estrela Michelin, que conservou na noite de 22 de novembro. À frente do restaurante continua o chef Diogo Rocha.

Os outros dois spots que conservaram a estrela verde são o Esporão, em Reguengos, Alentejo, que também conseguiu conservar a estrela Michelin, e o Il Gallo d' Ouro, um dos melhores restaurantes portugueses, no Funchal, que manteve as duas estrelas Michelin.

Confira a lista completa dos restaurantes portugueses com estrelas Michelin:

Restaurantes que conquistaram a estrela na edição de 2022:

  • Encanto (Lisboa, chef José Avillez e João Diogo Formiga)
  • Euskalduna Studio (Porto, chef Vasco Coelho Santos)
  • Kabuki (Lisboa, chef Paulo Alves)
  • Kanazawa (Lisboa, chef Paulo Morais)
  • Le Monument (Porto, chef Julien Montbabut)

Restaurantes que conservaram as 2 estrelas Michelin:

  • Alma (Lisboa, chef Henrique Sá Pessoa)
  • Belcanto (Lisboa, chef José Avillez)
  • Casa de Chá da Boa Nova (Leça da Palmeira, chef Rui Paula)
  • Il Gallo d’Oro (Funchal, chef Benoît Sinthon)
  • Ocean (Alporchinhos, chef Hans Neuner)
  • The Yeatman (Vila Nova de Gaia, chef Ricardo Costa)
  • Vila Joya (Albufeira, chef Dieter Koschina)

Restaurantes que conservaram 1 estrela Michelin:

  • 100 Maneiras (Lisboa, chef Ljubomir Stanisic)
  • A Cozinha (Guimarães, chef António Loureiro)
  • A Ver Tavira (Tavira, chef Luís Brito)
  • Al Sud (Lagos, chef Louis Anjos)
  • Antiqvvm (Porto, chef Vítor Matos)
  • Bon Bon (Carvoeiro, chef José Lopes)
  • Cura (Lisboa, chef Pedro Pena Bastos)
  • Eleven (Lisboa, chef Joachim Koerper)
  • Eneko Lisboa (Lisboa, chef Eneko Atxa)
  • Epur (Lisboa, chef Vincent Farges)
  • Esporão (Reguengos de Monsaraz, chef Carlos Teixeira)
  • Feitoria (Lisboa, chef André Cruz)
  • Fifty Seconds by Martín Berasategui (Lisboa, chef Filipe Carvalho)
  • Fortaleza do Guincho (Cascais, chef Gil Fernandes)
  • G Pousada (Bragança, chef Óscar Gonçalves)
  • Gusto (Almancil, chef Heinz Beck)
  • LAB by Sergi Arola (Sintra, chef Sergi Arola)
  • Largo do Paço (Amarante, chef Tiago Bonito)
  • Loco (Lisboa, chef Alexandre Silva)
  • Mesa de Lemos (Viseu, chef Diogo Rocha)
  • Midori (Sintra, chef Pedro Almeida)
  • Pedro Lemos (Porto, chef Pedro Lemos)
  • Vila Foz (Porto, chef Arnaldo Azevedo)
  • Vista (Portimão, chef João Oliveira)
  • Vistas (V.N. de Cacela, chef Rui Silvestre)
  • William (Funchal, chef Luís Pestana)

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.