O combustível subiu para valores inéditos a 7 de março e prevê-se até um novo aumento já na próxima segunda-feira, 14, conforme avançado à CNN Portugal. As consequências da guerra na Ucrânia não ficam por aqui e chegarão também aos alimentos, que além de sofrerem um aumento de preço, podem mesmo vir a ser racionados pelos produtores.

A notícia é avançada pelo semanário "Expresso", que indica que os preços de vários produtos da base da alimentação dos portugueses vão disparar 20% a 30% já nos próximos dias. Um dos casos que sofrerá um maior aumento será o sector das carnes e também no peixe o aumento vai fazer-se sentir, tanto nos de aquacultura, como a dourada e o robalo, como nas conservas de atum — essenciais para muitas famílias portuguesas e cujo preço vai disparar cerca de 25%.

Líderes europeus aceitam entrada da Ucrânia na UE. Rússia já matou mais civis do que soldados
Líderes europeus aceitam entrada da Ucrânia na UE. Rússia já matou mais civis do que soldados
Ver artigo

Este último dado é preocupante e deixa em alerta as instituições de apoio a pessoas carenciadas. "É um barril de pólvora. Além do aumento da procura por parte das famílias portuguesas, as instituições ainda vão ter de responder ao afluxo de refugiados. A rede de apoio social pode colapsar", afirmou Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar contra a Fome, ao mesmo jornal. "As carências alimentares vão atingir um nível como há muitos anos não se via", acrescenta.

Apesar das previsões preocupantes, o primeiro-ministro, António Costa, garantiu que "não haverá falta de nenhum bem essencial" e que "há reservas para assegurar que não haverá escassez", afirmou aos jornalistas esta quinta-feira, 10 de março, cita o "Observador".

Nesse sentido e a título de exemplo, a presidente executiva do Pingo Doce, Isabel Ferreira Pinto, já afirmou que a cadeia não tem, para já, problemas em receber bens alimentares. "Apesar dos impactos evidentes deste contexto de crise humanitário de guerra, não estamos a sentir ainda qualquer tipo de problemas no abastecimento às lojas, nem nos nossos centros logísticos, mas é impossível prever hoje em dia, vivemos momentos de grande incerteza", disse, de acordo com a CNN Portugal.

Dos cereais ao leite, o que vai mudar nos bens essenciais do supermercado.

Cereais

A Rússia e a Ucrânia são dois dos maiores fornecedores mundiais de cereais a nível mundial e Portugal é um dos países que depende deste bem alimentar. O País já está à procura de novos fornecedores, como EUA, Brasil, África do Sul ou Austrália, mas não é a melhor solução dado que a importação fica mais dispendiosa devido à distância.

Por cá a produção não é suficiente, sendo que o trigo cobre apenas 5% a 10% do consumo — taxas que estão ainda mais reduzidas este ano em consequência da seca que o País enfrenta.

Soldado ucraniano tornou-se viral por dançar no TikTok, mas não publica vídeos há seis dias
Soldado ucraniano tornou-se viral por dançar no TikTok, mas não publica vídeos há seis dias
Ver artigo

Tudo isto vai levar a um aumento do preço do pão, das massas e rações para animais. Apesar de o pão já ter sofrido um aumento de 10% no preço no início do ano, espera-se em breve um reforço: um quilo de farinha para pão pode passar dos 0,57€  para 0,77€ já em abril. 

Nas massas o cenário não é melhor e aqui pode mesmo vir a ser necessário recorrer ao racionamento. "O stock de alguns produtos, como a farinha para massas, é tão reduzido que daqui a um ou dois meses podemos ter de fazer racionamentos como aconteceu nos anos 70", afirma o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa.

Carne

Um ponto, os cereais, leva ao outro: a carne. Com o aumento do valor das rações para animais, o preço da carne também vai ser afetado e há mesmo alertas de que a carne de porco, a mais consumida em Portugal, pode vir a escassear. "Só há stock de ração até abril. Depois disso, não temos como alimentar os animais, o que significa que pode faltar carne para as pessoas. Se não forem tomadas medidas urgentes, vamos assistir a um regresso da fome a Portugal”, alerta o presidente da Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores, David Neves, no semanário "Expresso".

Todo o setor da carne vai sofrer aumentos na ordem dos 20% a 30%, mas a carne de porco em específico “vai subir já nos próximos dias €0,40 por quilo, ou seja, mais 30%", revela David Neves.

Peixe

Tal como na carne, os peixes de aquacultura mais consumidos pelos portugueses vão ter “um aumento de 20% a 30%”, segundo a Associação Portuguesa de Aquacultores. Já para as conservas estima-se uma subida de 25%. Porquê? Devido à escassez de óleo de girassol usado, por exemplo, no atum de lata, que vinha maioritariamente (80%) da Ucrânia.

Com o país em guerra, o óleo não chegará a Portugal tão depressa e há duas alternativas: usar óleo de soja ou de palma de outros países ou consumir conservas de atum em água ou azeite, logo, mais caras.

Sem óleo para o peixe, também não há óleo para cozinhar e por isso uma das principais marcas de óleo vai ter de aumentar 1€ na tabela, subida que também vai acontecer no azeite.

Legumes e fruta

Nenhum dos bens essenciais vai ficar de fora da sobrecarga da carteira dos portugueses. Os legumes e a fruta também vão ser afetados devido aos elevados custos de produção associados à energia e ao gasóleo agrícola. Em que é que se traduz? Num aumento de 30% a 40% no valor de produtos sazonais, como o tomate e o morango.

Ovos e leite

Com a ampla subida de preços de combustíveis e rações — essenciais para a criação animal e distribuição dos produtos — os produtores ficam sem outra alternativa que não aumentar os preços.

No ovos, esse aumento será de cerca de 20% a 25% e no caso do leite e derivados é ainda impossível calcular a subida dada a situação "dramática".

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.