Portugal vai receber cerca de 22 milhões de doses de vacinas contra a COVID-19, e as primeiras devem chegar já em janeiro. A notícia foi avançado por Luís Marques Mendes este domingo, 29 de novembro, no seu espaço de comentário no "Jornal da Noite", na SIC. O comentador, que referiu ainda que as vacinas chegam de seis fabricantes diferentes, revelou detalhes sobre o plano de vacinação.

Gratuito e com a possibilidade de prolongar-se até ao verão, o processo de vacinação contra a COVID-19 pode arrancar já em janeiro de 2021. Marques Mendes avançou também que a vacina da Pfizer será a primeira a chegar, e a seguir virá a da Moderna, de acordo com informação que recolheu junto das entidades responsáveis, diz o comentador político,

COVID-19. "Ainda não sabemos se a vacina impede alguém de contrair a doença ou não"
COVID-19. "Ainda não sabemos se a vacina impede alguém de contrair a doença ou não"
Ver artigo

Portugal também vai receber doses de laboratórios como a Astra Zeneca, Johnson & Johnson – Jansen e Curevac. A maioria destas vacinas exige duas doses, a segunda administrada três a quatro semanas depois da primeira.

No entanto, e contrariamente ao noticiado no final da semana passada, Marques Mendes garantiu que os idosos fazem parte do grupo de pessoas com acesso prioritário à vacina. Questionado sobre os documentos de  trabalho que excluíam pessoas acima dos 75 anos da lista prioritária, o antigo líder do Partido Social Democrata não deu certezas, mas justificou a prioridade com a "preocupação de reduzir a pressão sobre os hospitais e os cuidados intensivos", escreve o "Observador". Residentes em lares, profissionais de lares, profissionais de saúde, forças de segurança e agentes da proteção civil também fazem parte dos grupos prioritários.

A campanha de vacinação será gerida pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS) e as vacinas vão ser dadas nos centros de saúde numa primeira fase, tendo Marques Mendes também admitido que sejam usados pavilhões de campanha. Algumas destas vacinas exigem temperaturas muito baixas e está previsto um armazenamento central único cuja localização não será conhecida, acrescenta o comentador, embora refira que também vão existir armazéns adicionais nas seis administrações regionais de saúde e nas ilhas.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.