O momento histórico aconteceu esta terça-feira, 8 de setembro, no Estádio António Coimbra da Mota. A árbitra Vanessa Gomes estreou-se numa partida profissional masculina no arranque da 2.ª Liga, num jogo que acabou com o Estoril Praia a derrotar o Arouca por 1-0. O jogo decorreu sem público, mas não faltaram testemunhas para ver o dia em que Vanessa se tornou na primeira mulher a arbitrar um jogo de futebol profissional masculino em Portugal.

Esta quinta-feira à noite, 10, foi feita uma homenagem à juíza que esteve ao lado da equipa de arbitragem liderada por João Malheiro Pinto. O evento contou com a presença de um adepto de cada equipa e ainda a oferta da bola oficial da prova autografada pelos plantéis das equipas que disputaram o encontro, entregue por Helena Pires, diretora executiva de competições da Liga, conforme revelado pelo jornal "Record".

A portuguesa de 33 anos foi uma das três árbitras, além de Cátia Tavares e Andreia Sousa, a passar nos testes para os quadros masculinos da arbitragem, mas a única a ser nomeada pelo Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol para abrir a temporada das competições profissionais.

Mas, afinal, quem é Vanessa Gomes? Primeiro de tudo, é sim Vanessa Alexandra Dias Gomes e nasceu em Lisboa a 15 de agosto de 1987. Feitas as contas, tem 33 anos, mas só há 13, quando tinha 20 anos, é que surgiu o interesse pela arbitragem.

Até esse momento, Vanessa Gomes pensava que a psicologia, área de formação, seria o seu futuro, mas trocou o consultório para percorrer relvados de apito ao peito como filiada na Associação de Futebol de Lisboa e atualmente na categoria AAC2 — que lhe permitiu então ser assistente na 2.ª Liga.

Pároco de Braga celebra missa num campo de futebol
Pároco de Braga celebra missa num campo de futebol
Ver artigo

Ao logo da última década tem-se destacado numa modalidade que é dominada por homens. Começou por estar várias épocas a dirigir jogos distritais de todos os escalões, escolheu a (sub)carreira de "árbitra assistente", e passou por vários jogos tanto nacionais como internacionais.

O caminho que foi traçando evoluiu ao mesmo tempo em que a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) tem feito uma forte aposta no futebol jogado por mulheres, esforço que se traduz atualmente em duas competições bem organizadas em Portugal, centenas de jogadoras e dezenas de árbitras nos quadros nacionais, bem como árbitras internacionais que levam o trabalho português lá para fora.

Apesar de outros nomes femininos não terem sido nomeados para o arranque da 2.ª Liga, Olga Almeida e Cátia Tavares vão estar presentes em competições futuras. No caso da juíza Olga, está nomeada para o Cova da Piedade-Mafra (arbitrado por João Casegas), enquanto Cátia Tavares estará no Vizela-UD Oliveirense (dirigido por Dinis Gorjão).

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.