Já não são propriamente novidades os chamados "crimes de honra" protegidos pelo islão, e este é só mais um, que está a chocar a comunidade internacional. Aconteceu esta semana no Irão, mas o caso tem uma história mais antiga.

Uma jovem de 13 anos, uma idade normal para que uma rapariga possa ser oferecida em casamento a outro homem sobretudo no Estado Islâmico, fugiu de casa na companhia do homem que amava, porque o pai não aprovava a relação. Romina Ashrafi esteve desaparecida durante 5 dias, até ter sido localizada pelas autoridades. Foi, então, entregue ao pai, ao abrigo do que defende a lei da república islâmica.

Estudante de Psicologia da universidade de Lisboa detido por suspeitas de matar colega
Estudante de Psicologia da universidade de Lisboa detido por suspeitas de matar colega
Ver artigo

Nessa mesma noite, e enquanto a filha dormia, o pai usou uma foice para a decapitar, por se considerar desonrado com a relação que a filha mantinha com o homem mais velho. O homem entregou-se depois às autoridades, com a arma do crime nas mãos, e confessou ter assassinado a filha. 

Agora a parte mais chocante da história. Por ser considerado o guardião da filha, e de acordo com a lei do Irão, o homem não pode ser condenado à pena de morte. Arrisca-se, no máximo, a uma pena de 10 anos de cadeia.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.