Com apenas 14 anos, Ashlee Thomas chegou a pesar 38 quilos. Já hospitalizada, o coração parou por duas vezes e as equipas médicas responsáveis por acompanhar a evolução do seu quadro clínico temiam o pior. Mas Thomas, agora com 20, sobreviveu e desde então que se tem dedicado a ajudar outras pessoas que batalhem diariamente com casos de anorexia.

Mas quando os casos dizem respeito a crianças ou jovens, o processo tem de envolver também os pais. E é a eles que Ashlee Thomas faz questão de alertar para os perigos do Instagram, a plataforma social que a própria diz ter servido como catalisador para o que lhe aconteceu.

Na altura, recorda a jovem, foi no Instagram que começou a acompanhar influenciadores digitais que se especializavam na publicação de conteúdo sobre alimentação saudável. Ashlee Thomas, que na altura praticava desporto, tinha apenas um objetivo: ter um corpo semelhante àqueles que via diariamente de cada vez que abria a aplicação.

Quando o Instagram apaga anos de trabalho. "É como se fosses despedido"
Quando o Instagram apaga anos de trabalho. "É como se fosses despedido"
Ver artigo

"Só queria ser gostada e amada como eles [referindo-se aos influenciadores digitais que acompanhava] eram. Queria sentir um bocadinho daquilo que eles sentiam", explica à CNN.

Mas o que aconteceu foi o oposto e começou quando, em resposta a uma das fotografias que publicou no seu perfil pessoal, uma pessoa disse-lhe que tinha uma barriga flácida e com gordura a mais. Foi aí, diz, que deixou de comer.

"A situação chegou a um ponto em que o meu pai teve de me abrir a boca enquanto a minha mãe me tentava alimentar com uma seringa com comida. Recusava-me a comer", diz.

Mas o caso de Thomas não é único. Anastasia Vlasova, 18, sobrevivente de anorexia, passou pelo mesmo. "Estava viciada no Instagram", diz à CNN, e depressa começou acompanhar apenas influenciadores digitais com corpos definidos. Sempre que via corpos perfeitos, odiava o seu e, por conseguinte, passava a odiar-se a si própria.

"Sentia-me bombardeada com todas as mensagens [subliminares] daquelas publicações: tens de treinar todos os dias, fazer vários tipos de exercícios, fazer uma dieta específica e evitar certo tipo de comidas", refere.

O relato das duas jovens surge no rescaldo do testemunho de Frances Haugen, a mais recente delatora do Facebook que testemunhou esta terça-feira, 5 de outubro, no congresso americano alegando que o grupo Facebook — que detém as aplicações Facebook, Instagram e WhatsApp — está ciente dos efeitos nocivos que tem nos seus utilizadores, inclusive nos mais novos.

O Facebook sabe que é nocivo, mas recusa-se a mudar

"Acredito que os produtos e os serviços do Facebook são nocivos para as crianças, promovem a divisão e tornam frágil a nossa democracia", diz Haugen, que durante o tempo em que trabalhou na empresa de Mark Zuckerberg, assumiu as funções de gestora de produto.

Precisa de ajuda? Estas são as linhas de Apoio e de Prevenção do Suicídio em Portugal

SOS VOZ AMIGA
Horário: 16:00 – 24:00
Contacto Telefónico: 213 544 545 | 912 802 669 | 963 524 660
Linha Verde gratuita: 800 209 899 (21:00 – 24:00)

CONVERSA AMIGA
Horário: 15:00 – 22:00
Contacto Telefónico: 808 237 327 | 210 027 159

VOZES AMIGAS DE ESPERANÇA DE PORTUGAL
Horário: 16:00 – 22:00
Contacto Telefónico: 222 030 707

TELEFONE DA AMIZADE
Horário: 16:00 – 23:00
Contacto Telefónico: 222 080 707

O testemunho de Haugen teve como base um estudo interno do próprio Facebook que concluiu que "13.5% de raparigas adolescentes, utilizadoras do Instagram, disseram acreditar que a plataforma as fez pensar mais vezes em suicídio e mutilação" e que "17% sentiu que a rede social agravou casos de distúrbios alimentares, como anorexia".

Mais: o mesmo estudo concluiu ainda que uma em cada três raparigas adolescentes é suscetível a sentir complexos com o seu físico depois de usar as plataformas detidas pelo Facebook.

Frances Haugen decidiu testemunhar por acreditar que, embora o Facebook esteja ciente destes dados, decidiu não mudar absolutamente nada nas suas plataformas para evitar quebras de lucro. "A liderança da empresa sabe como tornar o Facebook e o Instagram mais seguros, mas recusa-se a fazer as alterações necessárias porque puseram o lucro em primeiro lugar e não as pessoas", referiu Frances Hugh ao congresso.

Distúrbios alimentares em quarentena: "Comer e parar não é solução. A cabeça julga-me quando o faço"
Distúrbios alimentares em quarentena: "Comer e parar não é solução. A cabeça julga-me quando o faço"
Ver artigo

Ainda que o Facebook, pela voz do seu CEO, Mark Zuckerberg, tenha desvalorizado as acusações, Pamela Keel, responsável pelo centro de investigações de distúrbios alimentares da Universidade da Flórida, nos EUA, diz que a publicação de fotografias no Instagram pode aumentar os complexos dos utilizadores com os seus corpos e com as suas aparências físicas.

"Esse é um dos maiores fatores de risco para o desenvolvimento de distúrbios alimentares", explica a especialista. Ashlee Thomas, que ao longo de todo este processo contou com o apoio dos pais, também é crítica da falta de agência das redes sociais e pede regulação.

"Não devíamos ter de acabar numa cama de hospital ou ter de ser alimentados à força porque estas redes sociais nos encorajam a passar fome ou a 'comer de forma saudável'", conclui.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.