A autora JK Rowling está novamente no centro de uma polémica relacionada com pensamentos descritos como transfóbicos, depois de ter feito uma publicação no Twitter, em que pôs em causa a expressão "pessoas que menstruam": "Pessoas que menstruam. Tenho certeza de que costumava haver uma palavra para essas pessoas", escreveu referindo-se a mulheres.

A publicação foi alvo de muitas críticas, com vários ativistas transgénero a manifestarem o seu desagrado. Também Daniel Radcliffe, ator que interpretou a personagem Harry Potter, personagem principal dos filmes baseados na saga escrita pela autora, veio falar publicamente sobre o tema, discordando de Rowling e apoiando a comunidade transgénero, num texto publicado no site LGBT The Trevor Project. Não é a primeira vez que a autora se vê no meio de controvérsia por comentários e atitudes consideradas transfóbicas.

Mas, desta vez, depois de tantas mensagens, a autora escreveu uma longa mensagem no seu site a justificar os motivos pela qual ela fez aquele comentário e as razões pelas quais tem esta postura em relação ao sexo biológico. Rowling começa por explicar como é que começou a estudar mais a área ligada às questões de género, fazendo referência a investigação para a construção de personagens para os seus livros. Logo no início, também diz que considera que vivemos numa época altamente misógina — e que nunca pensou que, nesta altura, assim fosse.

JK Rowling pede aos jovens para não fazerem voluntariado em orfanatos
JK Rowling pede aos jovens para não fazerem voluntariado em orfanatos
Ver artigo

"Nos anos 80, imaginava que as minhas futuras filhas, se eu as tivesse, iriam viver numa época muito melhor do que a minha, mas entre o ódio contra o feminismo e uma cultura online saturada de pornografia, acredito que as coisas tenham piorado significativamente para as mulheres", escreveu.

Neste texto, ficamos a saber que JK Rowling já foi vítima de violência doméstica e abuso sexual — dando a entender que esta história remonta ao seu primeiro casamento — acontecimentos que poderão ter moldado a sua visão. "Menciono isto [violência doméstica e sexual] agora, não na tentativa de obter simpatia, mas por solidariedade com o grande número de mulheres que têm histórias como a minha, que foram criticadas por serem fanáticas por terem preocupações em relação a espaços de sexo único."

No ensaio de 3.600 palavras, Rowling não volta atrás nos seus pontos de vista e fala sobre as leis de género no acesso às casas de banho, que, na sua opinião, facilitam a entrada de homens nestes espaços, podendo ser inseguro para as mulheres. "Tudo o que estou a pedir — tudo o que quero — é que uma empatia e um entendimento semelhantes sejam estendidos a muitos milhões de mulheres cujo único crime está em quererem que as suas preocupações sejam ouvidas sem receber ameaças e abusos", pode ler-se.

"Quero que as mulheres trans sejam seguras. Ao mesmo tempo, não quero tornar as meninas e mulheres biológicas menos seguras", diz.

No final, remata: "Eu só mencionei o meu passado porque, como qualquer outro ser humano neste planeta, tenho uma história complexa, que molda os meus medos, os meus interesses e as minhas opiniões. Eu nunca me esqueço dessa complexidade interior ao criar um personagem fictício e certamente nunca a esqueço quando se trata de pessoas trans. "

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.