Carmel Sepuloni, ministra do desenvolvimento social da Nova Zelândia, estava esta segunda-feira, 30 de agosto, a dar uma entrevista em direto para a Radio Samoa, através do Zoom, quando foi interrompida pelo filho que entrou na sala a mostrar uma cenoura para a câmara.

Isto não se inventa. Comprou o novo Ferrari Roma e entalou-o numa rua estreita em Itália
Isto não se inventa. Comprou o novo Ferrari Roma e entalou-o numa rua estreita em Itália
Ver artigo

O momento, gravado em vídeo, foi partilhado pela própria ministra na rede social Twitter e está a ser descrito por muitos internautas como "hilariante". "Aquele momento em que estás a fazer uma entrevista, ao vivo, via Zoom, e o teu filho entra na sala a gritar, ao mesmo tempo que segura numa cenoura deformada em forma de parte do corpo masculina. Sim, estávamos quase a lutar por uma cenoura à frente das câmaras e, sim, estou-me a rir disso agora, mas não estava na altura", escreveu Carmel Sepuloni na descrição da partilha do vídeo.

No vídeo, é possível perceber que o filho apenas se apercebeu de que a mãe estava numa entrevista já depois de ter entrado na sala, mas o sucedido acabou por ser encarado como uma brincadeira.

Este foi mais um momento captado em contexto de teletrabalho que levou os utilizadores da rede social Twitter a rirem-se e identificarem-se com a situação. "Eu comecei a trancar a minha porta, já que ninguém lê a placa que diz que estou em videochamada. O meu pior momento foi com um urso de pelúcia gigante a atacar-me enquanto estava a trabalhar em Zoom", escreveu uma internauta. "Amo a vida familiar. Carmel estava naquele momento a brincar com o filho e isso trouxe uma luz brilhante de risos no contexto da COVID-19. As crianças são fantásticas", escreveu outra.

Atualmente, a Nova Zelândia permanece em confinamento devido à pandemia da COVID-19, e a maioria dos trabalhadores encontra-se em teletrabalho, e as escolas encerradas.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.