A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) defendem que o ensino deve ser retomado com aulas presenciais e sem interrupções, mas que para isso devem ser tomadas medidas para preparar o ano letivo de modo a que este decorra sem riscos de contágio por COVID-19.

Uma das recomendações é a vacinação completa de professores e docentes, bem como dos alunos com mais de 12 anos (processo que tem vindo a decorrer em massa nos últimos dois fins de semana em Portugal), e defende que as turmas devem ser de menor dimensão no novo ano letivo.

"A pandemia causou a perturbação mais catastrófica da educação na história. Por conseguinte, é crucial que a aprendizagem em sala de aula continue sem interrupções em toda a Europa. Isto é de extrema importância para a educação, a saúde mental e as competências sociais das crianças, e para que as escolas ajudem a munir os mais novos com as capacidades necessárias para serem membros felizes e produtivos da sociedade", disse o diretor regional da OMS para a Europa, Hans Henri P. Kluge, citado pela TVI24.

Manuais escolares gratuitos. Saiba como pedir os livros dos seus filhos
Manuais escolares gratuitos. Saiba como pedir os livros dos seus filhos
Ver artigo

Assim, o Escritório Regional da OMS para a Europa e o Escritório Regional da UNICEF para a Europa e Ásia Central apelam para que as escolas de todo o mundo se mantenham em funcionamento de modo a minimizar o impacto da COVID-19 na aprendizagem das crianças.

Neste seguimento, são feitas várias recomendações mundiais — semelhantes às que especialistas portugueses tinham defendido anteriormente, como ensino presencial a 100% e colocação de medidores da qualidade do ar nas escolas — que poderão também ser tidas em conta em Portugal para o novo ano letivo 2021/2022, que começa entre 14 a 17 de setembro.

A OMS e UNICEF defendem um conjunto de oito medidas que poderão conter a disseminação do vírus, principalmente numa altura em que a variante Delta é dominante. São elas a testagem regular, adotar uma estratégia de vacinação eficaz, fazer com que as escolas sejam dos últimos lugares a fechar e os primeiros a reabrir, proteger a saúde mental das crianças, bem como proteger as crianças mais vulneráveis e marginalizadas, melhorar o ambiente escolar e envolver as crianças e adolescentes na tomada de decisões.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.