O ano letivo de 2021/2022 já começa a ser planeado e aguardam-se novas medidas de combate à COVID-19. Nos próximos dias será divulgado o "Referencial Escolas" da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares (DGEstE), segundo o jornal "Correio da Manhã", no qual constarão as regras para o regresso às aulas. Por agora, há apenas algumas estratégias sugeridas por especialistas e responsáveis da área da Educação que têm em conta a vacinação dos mais jovens — como a manutenção das máscaras e mudanças nas regras de isolamento profilático.

"Face ao nível de vacinação, inclusive dos alunos com mais de 12 anos, e à consequente redução da perigosidade, a expectativa é de que, mesmo havendo casos positivos, estes não interfiram tanto na vida escolar", disse o vice-presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, David Sousa, ao jornal, que defende que as turmas não devem entrar em total isolamento profilático quando detetado um caso positivo. Isto porque, no ano passado, 9 mil alunos chegaram a entrar em isolamento, dificultando a aprendizagem dos estudantes.

Os livros escolares dos seus filhos vão valer descontos no restaurante, no teatro ou numas férias
Os livros escolares dos seus filhos vão valer descontos no restaurante, no teatro ou numas férias
Ver artigo

O também diretor da Escola Secundária Gonçalo de Azevedo, em Cascais, refere que o próximo ano letivo tem de ser "com ensino presencial a 100 por cento, se não é uma tragédia", sugerindo, por isso, "alterações pontuais nos planos de contingência das escolas" e que, por outro lado, deve continuar a obrigatoriedade de "uso de máscara, higienização dos espaços, distanciamento e lavagem das mãos".

A mesma ideia é defendida por Manuel Gameiro da Silva, especialista em qualidade ambiental nos edifícios. "Retirar as máscaras, por exemplo, seria um erro e não olhar para a questão da qualidade do ar também", afirma ao "Diário de Notícias". Segundo o especialista, antes do regresso às aulas previsto para a semana de 14 a 17 de setembro, deveriam ser colocados nas escolas medidores da qualidade do ar e em vez de se usar apenas como estratégia as janelas e portas abertas — medida aplicada no ano passado — para prevenir os contágios do vírus que provoca a COVID-19.

Além das escolas, o especialista diz mesmo que este sistema deveria ser alargado aos transportes, outro local onde o contágio pode ser prevenido. "Os medidores de CO2 fazem sentido nas escolas e em qualquer edifício. Com a variante Delta, a qualidade do ar assume uma importância ainda maior", refere ao mesmo jornal.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.