Depois de quase uma semana internado no Hospital Garcia de Orta, em Almada, Ângelo Rodrigues deverá ser transportado ainda ao longo desta segunda-feira, 2 de setembro, para o Hospital das Forças Armadas, em Lisboa.

Esta mudança deve-se ao facto de o ator precisar de ser submetido a um novo tratamento, que só pode ser feito nesta unidade hospitalar. De acordo com o "Correio da Manhã", Ângelo Rodrigues fará um tratamento numa câmara hiperbárica, com o objetivo de acelerar a cicatrização da zona onde foram administradas as injeções de testosterona.

De acordo com o jornal diário, a câmara hiperbárica existe apenas em três pontos do País: no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, no Hospital das Forças Armadas, em Lisboa, e no Hospital Particular do Algarve.

"A câmara hiperbárica tem uma taxa de sucesso muito boa. A máquina é caríssima, daí só haver três locais em Portugal que a têm. É usada em doentes diabéticos ou noutros casos de feridas não cicatrizadas, resultantes de acidentes, por exemplo. É também usada para pessoas que tiveram problemas com mergulho. A câmara é hermética e fica com uma concentração de oxigénio maior do que a do ar normal e uma pressão positiva. Basicamente, o que faz é aumentar o teor de oxigénio no sangue e, por isso, aumenta a regeneração tecidual", explica a médica endocrinologista Sílvia Saraiva, ao "Correio da Manhã".

Ângelo Rodrigues já não está em coma mas "prognóstico continua reservado"
Ângelo Rodrigues já não está em coma mas "prognóstico continua reservado"
Ver artigo

Tendo em conta a infeção grave que Ângelo Rodrigues sofreu, este tratamento tem como principal objetivo travá-la, para que não corra risco de vida. "Houve uma infeção gravíssima, que está associada a uma alta taxa de mortalidade. Para já, a prioridade continua a ser a de parar completamente a infeção e a necrose tecidual, porque enquanto houver tecidos a necrosarem há risco de a infeção não parar", explica.

O "Correio da Manhã" avança ainda que a perna do ator ainda está em risco, tendo sido revelado por uma fonte da publicação que "retiraram muitos tecidos necrosados da perna onde surgiu o abcesso muscular infeccioso, daí a equipa médica ter colocado em questão a viabilidade da perna."

Newsletter

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.