Milhares de processos criminais, entre eles cerca de 8 mil burlas por MB Way, poderão ficar em risco devido à declaração de inconstitucionalidade com força obrigatória geral e efeitos retroativos da lei dos metadados pelo Tribunal Constitucional (TC), avançou o Observador esta quarta-feira, 11 maio.

O TC declarou a inconstitucionalidade da lei dos metadados em abril de 2022, cujas normas determinam a conservação dos dados de tráfego e localização das comunicações durante um ano, podendo eventualmente ser usados na investigação criminal.

Menos carteiristas, mais burlas informáticas: o cenário da criminalidade em Portugal
Menos carteiristas, mais burlas informáticas: o cenário da criminalidade em Portugal
Ver artigo

De acordo com o comunicado oficial da entidade, a partilha de dados com as autoridades atinge não só os suspeitos de crime mas também quem está inocente. Por isso,  "restringe de modo desproporcionado os direitos à reserva da intimidade da vida privada e à autodeterminação informativa".

As informações digitais são essenciais nos casos de burla por MB Way. Tratam-se de dados capazes de fornecer a localização de um aparelho móvel no tempo e no espaço, os IPs, duração e destino das chamadas entre outras analíticas que são essenciais para os investigadores chegarem aos burlões e às contas bancárias envolvidas.

"Este é o primeiro caso em que se consegue quantificar na investigação criminal o impacto concreto da inconstitucionalidade da lei" devido ao facto de que os metadados são os meios de prova mais fortes nestes casos, escreve o Observador. Sem o acesso a estas informações da rede torna-se muito difícil identificar os burlões – requerem sempre o uso de computadores e smartphones, por isso é através dos metadados desses aparelhos que se conseguem as provas de crime.

Um dos métodos mais utilizados por estes criminosos é o envio de links, onde as vítimas são levadas a colocar as suas informações pessoais por acreditarem que se trata de uma fonte fidedigna. O mesmo jornal digital esclarece que nestes processos não são apenas revelados os metadados que permitem descobrir os aparelhos usados e a sua localização, como também "a identificação das contas bancárias usadas pelos burlões."

Cuidado se usa MB Way. Esquema de burlas já roubou mais de três milhões de euros em Portugal
Cuidado se usa MB Way. Esquema de burlas já roubou mais de três milhões de euros em Portugal
Ver artigo

Com o aumento dos inquéritos criminais ligados ao MB Way, a Procuradoria-Geral da República teve de centralizar a informação no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), que segundo o Observador já conseguiu localizar mais de 7.980 inquéritos relacionados com o MB Way. Portalegre acusa o maior número de casos.

A procuradora-geral da República, Lucília Gago, contactada pelo "DN", já entendeu requerer a nulidade da decisão do TC sobre esta lei.

O Ministério da Justiça reconheceu que esta declaração do TC pode ter "um relevante impacto na investigação, deteção e repressão de crimes graves". "São 14 anos de ação penal que podem ir abaixo", alertou o procurador-geral adjunto Alípio Ribeiro, citado pelo mesmo meio.

Com esta decisão do TC poderão estar em causa milhares de processos – que estiverem em curso, em fase de julgamento ou já foram julgados há mais de uma década –  relacionados com outros crimes como: terrorismo, raptos, crime organizado, tráfico, corrupção e branqueamento de capitais.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.