Há mais 19 mortes e 2.577 novos casos de infeção em Portugal pelo novo coronavírus. São estes os dados divulgados este domingo, 25 de outubro, pela Direção-Geral da Saúde, no novo boletim epidemiológico.

Os dados são divulgados no mesmo dia em que a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) se mostrou descontente em relação à forma como o SNS24 tem vindo a funcionar. Em causa está uma sobrecarga das unidades de saúde, devido ao incorreto encaminhamento de utentes, que muitas vezes chegam às urgências sem doença ou com sintomas ligeiros.

Ordem dos Médicos não está contente com SNS24. Em causa está "grave sobrecarga dos serviços"
Ordem dos Médicos não está contente com SNS24. Em causa está "grave sobrecarga dos serviços"
Ver artigo

"Estão a chegar às urgências, via SNS 24, utentes sem qualquer sintoma, nalguns casos porque estiveram em contacto com pessoas suspeitas de terem covid-19 ou porque testaram positivo, o que não constitui, só por si, indicação para serem atendidos em ambiente de urgência. Noutros casos, são doentes com sintomas ténues cuja indicação é manterem-se no seu domicílio", explica Carlos Cortes, presidente da SRCOM.

O responsável acusa o Ministério da Saúde de "permitir, também, que as urgências sejam postos de colheita para testagem do SARS-CoV-2 e isso assume contornos muito perigosos, já que o número de patologias graves, nomeadamente descompensações de patologias crónicas, estão a ser cada vez mais frequentes e precisam de atendimento urgente".

No sábado, 24 de outubro, o mesmo ministério anunciou que os testes de diagnóstico para a COVID-19 já podem ser requisitados pela linha SNS24, medida que, segundo a ministra Marta Temido, foi tomada por existirem muitas pessoas a dirigirem-se aos cuidados de saúde para obter prescrição para o teste — o que coloca muita pressão sobre o SNS.

Uso obrigatório de máscara na rua aprovado. Saiba quais são as exceções e as multas para quem não cumprir
Uso obrigatório de máscara na rua aprovado. Saiba quais são as exceções e as multas para quem não cumprir
Ver artigo

Na sexta-feira, 23 de outubro, o parlamento debateu e aprovou o projeto de lei submetido pelo PSD que obriga ao uso de máscaras na rua durante um período mínimo de três meses e que, depois disso, poderá ser estendido.

A iniciativa do PSD determina o uso obrigatório de máscara aos maiores de dez anos para o acesso, circulação ou permanência nos espaços e vias públicas "sempre que o distanciamento físico recomendado pelas autoridades de saúde se mostre impraticável", escreve o mesmo jornal.

Mas há exceções em relação, por exemplo, "a pessoas que integrem o mesmo agregado familiar, quando não se encontrem na proximidade de terceiros" ou através da apresentação de um atestado médico que comprove que a condição clínica ou deficiência cognitiva não permitem o uso de máscara.

O uso de máscara deixa de ser obrigatório quando for "incompatível com a natureza das atividades que as pessoas se encontrem a realizar", adianta a mesma publicação. O incumprimento traduz-se numa multa entre os 100 e os 500 euros.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.