Confrontacional, assertivo e apoiado no mesmo discurso que já lhe ouvimos antes. Foi assim que José Sócrates se apresentou esta quarta-feira, 14 de abril, na primeira entrevista televisiva, concedida à TVI e conduzida por José Alberto Carvalho, depois de Ivo Rosa ter deixado cair as acusações de corrupção na decisão instrutória referente à Operação Marquês.

Numa entrevista sobre um caso sobre o qual já se disse quase tudo, interessa menos o conteúdo e mais a forma como foi veiculado.

É que ao longo daquilo que deveriam ter sido 40 minutos de entrevista, mas que passou disso devido ao confronto constante entre entrevistado e entrevistador, José Sócrates reforçou as teses que já conhecemos: que o dinheiro de Carlos Santos Silva pertencia ao amigo e não a ele; e que, em conversa com aquele que sempre foi considerado o principal testa-de-ferro, mas que Ivo Rosa declarou ser o corruptor ativo de Sócrates, nunca se referiu a dinheiro como "fotocópias" ou "[d]aquela coisa de que gosto muito".

Dos gestos ao peso das palavras, José Sócrates esteve sempre ao ataque na entrevista à TVI

Não interessava que, tal como José Alberto Carvalho referiu, na sequência dessas conversas fossem registados levantamentos de quantias de dinheiro — e que, mais tarde, seriam alegadamente entregues em casa de José Sócrates.

Fosse qual fosse o ponto da acusação mencionado na entrevista, o antigo secretário-geral do Partido Socialista (PS) respondia com o corpo, antes de vociferar contra o jornalista, num conjunto de gestos que pareciam quase independentes das perguntas serem mais ou menos acusatórias.

Da agressividade à vitimização constante, as "artimanhas" da comunicação de José Sócrates
Da agressividade à vitimização constante, as "artimanhas" da comunicação de José Sócrates
Ver artigo

Ao longo de pouco mais de 40 minutos, a cadeira em que José Sócrates se sentou pareceu pequena demais para ele, que se movimentou e gesticulou com maior ou menor intensidade consoante o grau de repulsa que lhe causava aquilo que ia ouvindo.

José Sócrates, qual animal ferido, esteve sempre ao ataque

Em conjunto com essa postura, sempre rígida e que alternava entre o cruzar de braços, numa posição defensiva, e a inclinação para a frente, e sobre mesa, sempre que estava pronto a ripostar e contrariar José Alberto Carvalho, era acompanhado de frases como "isso é ilegítimo", "a acusação é falsa", "isso é mentira" — pessoalizando o ataque e respondendo com uma tentativa de desacreditar, em direto, o jornalista, o seu opositor máximo.

Essa tentativa foi repetida por diversas vezes, primeiro quando acusou José Alberto Carvalho de falta de rigor ("é importante o mínimo de rigor"); depois, quando o acusou de mentir ("não é verdade que o juiz [Ivo Rosa] me considerou corrupto"); e, mais tarde, quando usou a condescendência para intimidação ("José Alberto Carvalho, seja rigoroso, você precisa de perceber uma coisa...").

A Operação Marquês em 7 pontos: as acusações a Sócrates, os desfechos possíveis e as provas
A Operação Marquês em 7 pontos: as acusações a Sócrates, os desfechos possíveis e as provas
Ver artigo

De cada vez que era obrigado a repetir-se, ou via interrompida uma das suas teses, José Sócrates recorria à gesticulação intensa, ao aumento do tom de voz e à vitimização. "O que o juiz disse é que, ao longo dos meus seis anos de mandato, não foi possível encontrar um ato concreto que fosse em contrário aqueles que eram os deveres do cargo", repetiu uma e outra vez, levando as mãos ao blazer cinza, fechando os olhos e revirando-os quando era contrariado.

À medida que a entrevista foi decorrendo, Sócrates, que no início surgia solene perante as câmaras, foi-se mostrando mais irrequieto. Abanando a cabeça, suspirando em frustração e perdendo a compostura de cada vez que o jornalista o questionava sobre o dinheiro de Carlos Santos Silva.

josé sócrates
créditos: TVI

"Durante sete anos fui acusado de ser o proprietário desse dinheiro e você [referindo-se a José Alberto Carvalho] vai novamente perguntar-me sobre a conta do Carlos Santos Silva? Outra vez? Desculpe, José Alberto Carvalho, mas chega a ser demais. Ó homem, se calhar era boa ideia perguntar-lhe a ele", respondeu num tom que, até então, nunca tinha sido usado na entrevista. De repente, a ferocidade que já lhe era conhecida desde sempre saltou (ainda) mais à vista.

Depois do aumento do tom, José Sócrates voltaria a apostar na tentativa da descredibilização do jornalista. Os exemplos são vários: "não confunda aquilo que é a afirmação da acusação com uma investigação de Ivo Rosa"; "se fizer um esforço, entenderá..."; "acho que anda a ler demasiado o 'Correio da Manhã', desculpe a graçola".

A vitimização e o fecho da conversa, em tom solene

A vitimização, que lhe é conhecida, serviria para fechar a entrevista e cuja tónica assenta nas palavras usadas. José Sócrates, para reforçar a ideia de que foi perseguido politicamente, usa palavras com peso, que não se esquecem e que ressoam na cabeça dos interlocutores. A escolha, engenhosa, não é por acaso.

José Sócrates não se sente desapontado, mas ofendido. "O que mais me ofende, é ouvir algumas afirmações que andam para aí de pessoas que, pá, acham que andei a inventar que a minha família tinha posses", explicou.

Operação Marquês. José Sócrates não será julgado por corrupção, mas por branqueamento
Operação Marquês. José Sócrates não será julgado por corrupção, mas por branqueamento
Ver artigo

"Você acompanhou este processo ao longo de sete anos e não teve um minuto para dizer aos seus espectadores que, durante vários meses, estive preso sem acusação", continuou. No final, vira o jogo e aponta novamente o dedo ao jornalista que, naquele momento, representa o jornalismo de investigação.

"Não acha que o jornalismo não tem nada para refletir? Será que as milhares de horas que vocês passaram, às vezes apresentadas como factos, não devem ser refletidas?".

José Sócrates termina a entrevista solene, mas para trás ficaram dedos em riste, acusações veladas e uma agressividade típica que, não sabendo se é ensaiada, passa a ideia de que crê piamente estar inocentado, qual animal ferido — mesmo que Ivo Rosa diga o contrário, e lhe tenha imputado crimes graves como o de branqueamento de capitais e de falsificação de documentos.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.