O novo Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) referente a 2019 não deixa dúvidas quanto à propagação de notícias falsas pela extrema-direita portuguesa.. À semelhança do que tem vindo a ser a tendência europeia, os grupos portugueses de extrema-direita têm feito uso de um discurso reciclado e reacionário no combate àquilo que apelidam como sendo o "marxismo cultural" com o objetivo de sensibilizar quem ouvir a sua mensagem a um discurso extremista.

Durante as eleições para o Parlamento Europeu e para a Assembleia da República, por exemplo, o documento, ao qual o jornal "Expresso" teve acesso, refere que todos os sectores da extrema-direita portuguesa "concorreram para a intensa difusão de propaganda e desinformação" não só nas redes sociais, mas também nas "manifestações e contramanifestações, debates e publicações diversas". O objetivo era sempre o mesmo: gerar um clima de tensão contra adversários políticos e apoiantes.

Pessoas inteligentes acreditam mais em "fake news"
Pessoas inteligentes acreditam mais em "fake news"
Ver artigo

No entanto, este relatório explica que os modos de agência de todos os sectores da extrema-direita não se restringem apenas à ideologia neonazi, já que foi identificada uma "estreita conexão" com "outros grupos e organizações europeias associadas à tendência identitária que também ganhou espaço no território português", escreve o mesmo jornal.

O combate às propagação e difusão de notícias falsas, por isso mesmo, tem de ser diário e tem de ocorrer no mainstream. Quem o diz é Fernando Esteves, diretor do jornal de fact-checking "Polígrafo", que considera que apesar de não tanto ativa como esteve no período de pré-eleições legislativas, a extrema-direita portuguesa está "bastante bem organizada nas redes sociais".

"Há muitas páginas e essas páginas por vezes não têm muito tempo de vida porque são denunciadas constantemente pelos utilizadores e o alcance do seu conteúdo acaba por ser limitado pelas próprias plataformas. Isto obriga-os a criar novas páginas e são extremamente dinâmicos ao fazê-lo", refere o diretor do jornal. Fazem-no reencaminhando, de forma imediata, todos os seus seguidores para as páginas novas naquilo que, considera, é um "ciclo contínuo de renovação" no qual existe uma "intenção deliberada de disseminar os seus conteúdos, as suas ideias, de modo a fazer apelos à militância ativa.

Mas há a eterna discussão sobre se se deve ou não dar palco — através de partilhas em massa nas redes sociais — a quem profere um discurso reacionário, de ódio e com base em mentiras, sob pena de fazer chegar esse discurso a quem, de outra forma, não teria acesso a ele. Mas Fernando Esteves diz não concordar em absoluto com quem considera que não se deve dar palco a estas ideias e que a melhor estratégia seja ignorar.

Fechem o Facebook, o sítio onde não existe tempo para pensar
Fechem o Facebook, o sítio onde não existe tempo para pensar
Ver artigo

"Essa é a pior estratégia. Por um motivo muito simples: estes movimentos estão a germinar e a desenvolverem-se nas redes sociais, na quais a partilha é esquizofrénica, porque se trata de uma partilha sem limites", e alerta para o facto de, atualmente, haver em Portugal pessoas de extrema-direita com páginas com um alcance de dois milhões de pessoas.

"Isto já são audiências comparáveis às audiências dos jornais televisivos. É evidente que não podemos deixar esses movimentos germinar sem lhes dar contraditório. São movimentos que se organizam na marginalidade do sistema", explica. Por isso, considera que o que os defensores da democracia devem fazer é trazer essas pessoas "para a arena do mainstream e confrontá-los com as suas ideias antidemocráticas e, muitas vezes, sem consistência."

E continua: "Estamos a falar de pessoas cujos líderes são bastante doutrinados, mas os seguidores são muitas vezes pessoas sem consciência ideológica — são apenas seguidores, pessoas que estão desiludidas com o sistema, com as instituições, com os políticos, com a justiça, com a imprensa mainstream e, por isso, estão também mais permeáveis a este tipo de ideias populistas e que vão encontro daquilo que são as suas insatisfações."

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.