James Boyce, um luso-britânico de 15 anos, morreu esta quinta-feira, 18 de junho, com seis facadas no parque da Rua General Pimenta, em Alvalade, Lisboa. 24 horas antes, terá marcado aquela luta com outro jovem, 14 anos, através da rede social Twitter. No local, pelas 19 horas, estariam mais jovens, que assistiram à morte de Boyce. Ao todo, eram nove.

"Eles começaram aos murros. Houve um que veio com uma faca e agrediu outro. Só me apercebi quando vi a vítima no chão", conta ao "Correio da Manhã" Miguel Lambin, morador da zona, que conta que foi um médico de Alvalade o primeiro a socorrer Boyce, que ainda estaria consciente por esta altura. Nesta altura, os outros jovens, já tinham fugido.

James Boyce foi atingido com três facadas nos braços e outras três no torax, revela fonte do INEM ao mesmo jornal.O prognóstico era, desde início, muito alarmante. O jovem foi transportado numa viatura Médica e de Reanimação para o Hospital de Santa Maria, dando entrada logo na sala de reanimação. 

Jovem que empurrou criança do 10.º andar da Tate Modern "sofre de esquizofrenia"
Jovem que empurrou criança do 10.º andar da Tate Modern "sofre de esquizofrenia"
Ver artigo

O óbito foi declarado à 00h40, depois de várias horas a tentar salvá-lo, já com os pais, donos de uma empresa de tradução, no hospital. A PSP, entretanto, conseguiu na mesma noite, localizar os sete jovens que assistiram ao crime, com agentes à civil. Foram todos interrogados. Segundo apurou o mesmo jornal, quatro moram em Lisboa, sendo os restantes de Rio de Mouro, Odivelas e Oeiras.

O autor do crime terá ido para casa depois de ter cometido o homicídio, tendo sido as autoridades a darem a notícia aos pais, que ficaram tão perturbados que o jovem teve de passar a noite na esquadra do Campo Grande.  A faca com que cometeu o crime terá sido apreendida pelas autoridades, no entanto só se poderá comprovar que se trata da arma utilizada para matar Boyce depois da peritagem no Laboratório de Polícia Científica da Polícia Judiciária.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.