"O grande senhor do fado português", "a voz que me fez amar ao fado!". É desta forma que muitos recordam Carlos do Carmo, o fadista que morreu esta sexta-feira, 1 de janeiro, vítima de um aneurisma. Tinha 81 anos e 58 de carreira, que começara em 1964.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já se pronunciou sobre a morte de Carlos do Carmo, que considera "uma perda nacional, é indiscutível", disse em entrevista à TVI24. "É uma entrada muito triste em 2021. Carlos do Carmo não era apenas a voz do fado. Foi essencial em termos de afirmação do fado como Património Imaterial da Humanidade, mas era também uma voz de Portugal", afirma o presidente.

Morreu o fadista Carlos do Carmo aos 81 anos
Morreu o fadista Carlos do Carmo aos 81 anos
Ver artigo

A elevação do fado a Património Imaterial da Humanidade aconteceu em 2011 e Carlos do Carmo foi escolhido pelo presidente da câmara de Lisboa na altura, Pedro Santana Lopes, para, ao lado de Mariza, ser embaixador da candidatura.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, o fadista Carlos do Carmo foi a voz de um período de resistência à ditadura e de construção da democracia. "Foi uma voz de resistência pela liberdade e democracia, primeiro, e depois uma voz sempre pelo povo e por aqueles com quem mais se identificava. Aqueles que mais sofriam, mais davam", disse o Presidente, reconhecendo ainda que por essa razão o fadista nunca quis abandonar o contacto com os portugueses.

"Foi impressionante a sua capacidade de resistência e de dádiva. Várias vezes foi considerado como muito perto do limite físico, mas ultrapassou sempre esses limites. E ultrapassava na base da sua juventude de espirito e daquilo que sentia. Tinha um grande coração, gostava de partilhar esse coração", diz o Presidente da República. Carlos do Carmo deu a voz a muitos escritores, mas sobretudo, termina Marcelo Rebelo de Sousa, "à voz das pessoas". Já numa nota no site da Presidência da República, Marcelo dá os sentimentos à "família, e em particular à tão amada companheira de uma vida, Maria Judite".

Tendo em conta o notável percurso, o trabalho de Carlos do Carmo foi reconhecido pelo Presidente da República em 2016 através da atribuição do grau honorífico Grande-Oficial da Ordem do Mérito, gratificação que se juntou à de Comendador da Ordem do Infante Dom Henrique, que recebera em 1997 pelo presidente da altura Jorge Sampaio.

O fadista nasceu a 21 de dezembro de 1939 e começou a atuar na juventude para os amigos e clientes mais frequentes da casa de fados O Faia, cujos proprietários eram os pais — a fadista Lucília do Carmo e o livreiro Alfredo Almeida. Só em 1964 dedicou-se à carreira artística, construindo um legado no fado com várias canções emblemáticas.

Manuel Luís Goucha. "Nunca deixei de ser feliz, mesmo perdendo"
Manuel Luís Goucha. "Nunca deixei de ser feliz, mesmo perdendo"
Ver artigo

“Lisboa, menina e moça”, letra de letra de Ary dos Santos, Joaquim Pessoa e Fernando Tordo, e música de Paulo de Carvalho, e “Os putos”, são duas das canções mais emblemáticas do fadista, que marcaram das gerações mais velhas às mais novas. Outras interpretações também contribuíram para o sucesso de carreira de mais de 50 anos, como “Canoas do Tejo”, de 1972, um dos clássicos do fado, bem como "Por morrer uma andorinha", "Bairro Alto" e "Um homem na cidade".

Carlos do Carmo foi também um dos rostos do fado lá fora: representou Portugal no Festival Europeu da Canção, na Holanda, em 1976, e em 2014 tornou-se o primeiro artista português a receber o prestigiado prémio Grammy Latino de Carreira.

Fazendo referência ao Grammy, o primeiro-ministro, António Costa, lembrou o cantor no Twitter. "Carlos do Carmo não era só um notável fadista, que o público, a crítica e um Grammy consagraram. Um dos seus maiores contributos para a cultura portuguesa foi a forma como militantemente renovou o fado e o preparou para o futuro", disse num primeiro tweet.

Noutro, fez uso da canção “Fado da Saudade” para se despedir do fadista a quem se refere como "amigo".

Também através do Twitter, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, recorda o homem que "mostrou sempre uma especial preocupação com a divulgação desta forma de música".

Outra das figuras da política que lamentou a morte do artista foi presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues. "Carlos do Carmo é, inquestionavelmente, um nome ímpar do fado e figura incontornável do meio artístico e da canção portuguesa, numa carreira de décadas que perdurará na memória de todos nós", disse em comunicado, de acordo com a TSF, que cita a agência Lusa.

Um ano antes da distinção do Grammy Latino de Carreira, o grande nome do fado completou 50 anos de carreira, data que marcou com a edição do álbum "Fado é amor", para o qual convidou vários fadistas de destaque em Portugal. É o caso de Camané, Mariza, Raquel Tavares, Ricardo Ribeiro e Marco Rodrigues.

Raquel Tavares deixa o fado e passa para as novelas
Raquel Tavares deixa o fado e passa para as novelas
Ver artigo

O músico Camané já se pronunciou sobre a perda do embaixador do fado e amigo de longa data. "Foi um choque muito grande. Conheço o Carlos do Carmo desde sempre, somos muito amigos. É difícil de lidar, é uma grande referência do fado e continua a ser. Vai ser sempre uma das pessoas mais importantes do fado. Foi uma pessoa que acreditou em mim", afirmou em entrevista à RTP.

Já o guitarrista António Chaínho revelou ter "o coração todo partido" após saber da morte do fadista, que o acompanhou durante 25 anos (até 1991). António Chaínho lembra, de acordo com o "Diário de Notícias", que cita a agência Lusa, "o bom gosto musical" e "o cuidado com a escolha de repertório" — características que faziam de Carlos do Carmo "um grande profissional".

Outros nomes do mundo da música afirmam que "a cidade e o país estão às escuras" com esta perda, disse o maestro António Vitorino de Almeida, enquanto José Cid lembra que conheceu Carlos do Carmo nas festas da Batalha, quando lhe emprestou uma aparelhagem, já que a do fadista avariara devido à chuva, contou à TSF.

Já pelas redes sociais, Herman José, Gonçalo Diniz, Diogo Infante, Tânia Ribas de Oliveira, Rita Ferro Rodrigues, Manuel Luís Goucha e Daniel Oliveira, prestam homenagem ao fadista.

Carlos do Carmo despediu-se dos palcos a 9 de novembro de 2019 no coliseu dos Recreios, em Lisboa, depois de passar pelo Coliseu do Porto a 2 de novembro. "É o ano em que vou fazer 80 anos. Há pessoas que têm uma grande capacidade de durar até aos 90, 100 anos. Eu não tenho. Este é o ano da despedida. Sem amarguras, sem azedumes", disse na altura num vídeo divulgado pela Universal Music Portugal.

Mas nem mesmo depois de pôr fim à carreira Carlos do Carmo deixou de ser premiado. No ano passado, o fadista recebeu o Prémio Vasco Graça Moura — Cidadania Cultural 2020 pelo seu contributo para o fado.

"Desde cedo que a sua voz soube quebrar fronteiras, atravessar gerações, tornando o fado uma manifestação artística de expressão universal. Essa expressão universal foi determinante para a Candidatura do Fado a Património Imaterial da Humanidade, de que Carlos do Carmo foi um dos embaixadores", escreveu o júri do prémio.

Segunda-feira, 4 de janeiro, será dia de luto nacional, conforme decretado esta sexta-feira, 1 de janeiro, pelo Governo, através de uma nota do gabinete do primeiro-ministro, António Costa, de acordo com a TSF. Foi ainda proposta a atribuição da Ordem da Liberdade, a título póstumo, "pelo determinante papel que Carlos do Carmo teve na renovação do fado, atribuição que, de resto, já estava prevista".

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.