O rastreio gratuito do cancro da mama passa a abranger os distritos de Lisboa e Setúbal, num  período de dois anos, ficando assim coberto 100% do território português, anunciou esta segunda-feira, 1 de fevereiro, a Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC).  Em comunicado, a Liga refere que este alargamento irá proporcionar o rastreio a mais 400 mil mulheres já a partir deste mês, sendo 600 mil as que podem beneficiar desta iniciativa nos concelhos da região sul, até 2023, referiu esta terça-feira, 2, a "SIC Notícias".

No dia Mundial do Cancro, que se assinala esta quinta-feira, 4 de fevereiro, arranca o rastreio na Unidade Móvel da LPCC, junto ao Centro de Saúde de Alcochete. No local estarão presentes o Núcleo Regional do Sul da Liga Portuguesa Contra o Cancro (NRS-LPCC) e a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), unidades promotoras neste processo.

Mariza Seita tatua (gratuitamente) mamilos em sobreviventes de cancro da mama
Mariza Seita tatua (gratuitamente) mamilos em sobreviventes de cancro da mama
Ver artigo

As mulheres dos distritos de Lisboa e de Setúbal passam a poder contar com uma equipa técnica especializada na área do cancro da mama e com equipamentos digitais novos que potenciam uma melhor qualidade do diagnóstico avança ainda a "SIC Notícias".

O rastreio arrancou no Núcleo Regional do Sul da Liga Portuguesa Contra o Cancro, em 1997, sendo depois alargado,  destina-se a mulheres entre os 50 e os 69 anos e realiza-se por convite, de dois em dois anos. De acordo com a NRS-LPCC, todos os procedimentos de de segurança e higienização são assegurados. Um inquérito lançado pelo Liga Portuguesa Contra o Cancro revela ainda que, durante a pandemia da Covid-19, 97% das utentes do rastreio sentiram-se seguras com as medidas adotadas nas instalações.

Dados de 2020 referem que, anualmente, morrem certa de 1500 mulheres vítimas de cancro da mama. Apesar da gravidade dos números, a taxa de mortalidade tem vindo a diminuir ao longo dos anos.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.