A partir de agora, vai passar a ser obrigatório apresentar um teste negativo ou o certificado digital para entrar num restaurante ao fim de semana. É esta uma das novas medidas anunciadas na tarde desta quinta-feira, 8 de julho, após concluída mais uma reunião do Conselho de Ministros. A nova medida foi anunciada por Mariana Vieira da Silva, ministra do Estado e da Presidência, que explicou que entrará em vigor já a partir deste sábado, 10, em todos os concelhos considerados de risco muito elevado e elevado.

Nestes concelhos, os restaurantes vão poder voltar a funcionar até às 22h30 aos fins de semana (e não apenas até às 15h30), desde que, para isso, os clientes apresentem o certificado digital ou um teste negativo à COVID-19. Os autotestes são válidos e vão poder ser adquiridos nos supermercados. Esta obrigatoriedade, no entanto, é válida apenas para o interior dos restaurantes, estará em vigor durante as próximas semanas (entre as 19h de sexta-feira e as 22h30 de domingo) e começará a ser aplicada a partir das 15h30 deste sábado. Os lugares nas esplanada estão isentos de apresentação de certificado ou teste

Quer saber quanto tempo vai ter de esperar para ser vacinado? Os semáforos virtuais dão a resposta
Quer saber quanto tempo vai ter de esperar para ser vacinado? Os semáforos virtuais dão a resposta
Ver artigo

A apresentação do certificado ou de um teste negativo passa também a ser obrigatória no acesso a hotéis ou unidades de alojamento local. Nestes casos, no entanto, a medida é válida em todos os dias da semana e em todo o território nacional — e não apenas aos fins de semana.

"A importância da utilização do certificado digital no acesso a atividades até agora com restrições mais significativas é a de cumprir aquilo que o governo sempre anunciou: procurar maximizar a segurança, minimizando as restrições. Temos, hoje, um novo instrumento para isto que é o certificado digital", referiu a ministra na comunicação que fez ao País.

Nos concelhos de risco elevado (27), continuam a aplicar-se a obrigatoriedade do teletrabalho — sempre que as atividades desempenhadas sejam compatíveis como esse regime —, e os espetáculos culturais mantêm os mesmos horários da restauração. Nos restaurantes, cafés e pastelarias, que passam a poder encerrar às 22h30 também ao fim de semana, o máximo de pessoas por mesa no interior é seis e dez em esplanada. Comércio e retalho funcionam até às 21 horas.

Quanto aos concelhos de risco muito elevado (33 no total), aplicam-se as regras de teletrabalho obrigatório. Os espetáculos culturais podem funcionar até às 22h30, os ginásios podem funcionar sem aulas de grupo e os casamentos e batizados acontecem com 25% da lotação.

Pessoas com 27 anos (ou mais) já podem agendar a toma da vacina contra a COVID-19
Pessoas com 27 anos (ou mais) já podem agendar a toma da vacina contra a COVID-19
Ver artigo

No que diz respeito aos restaurantes, pastelarias e cafés, podem manter-se a funcionar até às 22h30 e podem ter um máximo de quatro pessoas por grupo no seu interior e seis pessoas por mesa nas esplanadas. Quanto ao comércio a retalho alimentar, este poderá funcionar até às 21 horas durante a semana e até às 19 horas ao fim de semana e feriados. No caso do comércio não-alimentar, o dever é de encerrar às 21h durante a semana e às 15h30 ao fim de semana e feriados.

E ainda que, a partir de agora, deixe de haver restrições para entrar e sair da Área Metropolitana de Lisboa (uma vez que a variante Delta, detetada originalmente na Índia, já está presente em todo o País), continua a ser proibido circular na rua depois das 23 horas.

Os concelhos considerados de risco elevado são: Albergaria-a-Velha; Alenquer; Aveiro; Azambuja; Bombarral; Braga; Cartaxo; Constância; Ílhavo; Lagoa; Matosinhos; Óbitos; Palmela; Portimão; Paredes de Coura; Rio Maior; Salvaterra de Magos; Santarém; Setúbal; Sines; Torres Vedras; Trancoso; Trofa; Viana do Alentejo; Vila Nova de Famalicão; Vila Nova de Gaia; e Viseu.

Na lista de 33 concelhos em risco muito elevado encontra-se Albufeira; Alcochete; Almada; Amadora; Arruda dos Vinhos; Avis; Barreiro; Cascais; Faro; Lagos; Lisboa; Loulé; Loures; Lourinhã; Mafra; Mira; Moita; Montijo; Mourão; Nazaré; Odivelas; Oeiras; Olhão; Porto; Santo Tirso; São Brás de Alportel; Seixal; Sesimbra; Silves; Sintra; Sobral de Monte Agraço; Vagos; Vila Franca de Xira.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.