"Eu gosto de Hitler". A frase é de Ye (ou Kanye West), que deu uma entrevista ao portal "Infowars", em que também participou o supremacista branco Nick Fuentes. "Eu vejo coisas boas sobre Hitler também", reforçou.

Os comentários antissemitas que já anda a proferir há meses, tanto em entrevistas como nas redes sociais, deixaram a internet em alvoroço – e, agora, fontes próximas do cantor vieram confirmar que este é mesmo fascinado por Adolf Hitler. Aliás, Kanye até chegou a querer ter um álbum em nome do ditador alemão, avança a "CNN Entertainment".

“Ele elogiava Hitler e dizia que era incrível que ele tenha sido capaz de acumular tanto poder, e falava sobre todas as grandes coisas que ele e o Partido Nazi conquistaram para o povo alemão”, disse um empresário que já havia trabalhado para o cantor, em declarações à mesma publicação.

Enquanto foi próximo de Ye, o executivo revelou que este falava abertamente sobre a leitura de “Mein Kampf” ("A Minha Luta"), o manifesto autobiográfico de Hitler de 1925, expressando a sua “admiração” pelos nazis. Além disso, a mesma fonte confirmou que as pessoas do círculo íntimo de Ye estavam “totalmente cientes” do seu fascínio pelo ditador.

A retórica antissemita de Kanye West tem-se revelado de forma permanente, desde o passado mês de outubro. Tudo começou com uma camisola que usou durante um desfile da Semana da Moda de Paris, que tinha a frase "White Lives Matter" estampada ("Vidas Brancas Importam", em português), um lema dos grupos de extrema-direita e supremacistas brancos.

Acordo de divórcio finalizado. Kim Kardashian vai receber 193 mil euros por mês de pensão de alimentos
Acordo de divórcio finalizado. Kim Kardashian vai receber 193 mil euros por mês de pensão de alimentos
Ver artigo

E foi a partir daí que o antissemitismo (de forma tão pública, pelo menos) começou, com uma afirmação que partilhou no Twitter. O rapper pegou no termo militar “defcon 3”, que remete para um estado de alerta militar nos Estados Unidos que permite um uso de força acima do necessário, e relacionou-o com a comunidade judaica. Ainda através das suas plataformas, West sugeriu que a escravatura era uma escolha, além de ter referido que a vacina contra a COVID-19 era uma "marca de besta".

Ainda que se achasse intocável pela indústria, estas ações tiveram consequências, levando uma panóplia de marcas, das quais a Balenciaga e a Adidas são exemplo, a encerrar as colaborações com o rapper. Sem a Adidas, que correspondia a 1,5 mil milhões de dólares da sua fortuna (cerca de 1,4 mil milhões de euros), o artista perdeu o estatuto de multimilionário, que adquiriu em 2020, aquando da sua entrada para a lista da "Forbes".

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.