Foi a 13 maio de 2021 que morreu a atriz Maria João Abreu, vítima de aneurisma cerebral. Quase um ano após a morte da mãe, o filho mais novo, Ricardo Abreu Raposo, de 29 anos, foi convidado do programa "Alta Definição", da SIC.

Na conversa, principalmente uma homenagem a uma das atrizes portuguesas mais acarinhadas pelos portugueses, Ricardo recordou o momento em que percebeu que a mãe morrera.

"Quando no último dia, no dia 13, eu o João [referindo-se a João Soares, marido de Maria João Abreu] cantámos uma música de que ela gostava muito, a 'Black', dos Pearl Jam, e quando no último acorde de repente deixas de ouvir a respiração com os aparelhos, é qualquer coisa inexplicável", contou a Daniel Oliveira. "Parece mesmo que esteve a escutar a música até ao fim e que foi em paz e que nós ficámos em paz também", sabendo já na altura que aqueles seriam os últimos momentos de Maria João Abreu, conforme tinham avisado os médicos.

Além de música e de poemas declamados, um livro em especial acompanhou a atriz nos dias em que esteve internada em coma. "Li-lhe um livro, nessas duas semanas no hospital, na íntegra", disse o filho mais novo da atriz, acrescentando que se tratou da obra "No Teu Deserto", de Miguel Sousa Tavares. Fizeram de tudo para "que estivesse bem, onde quer que estivesse", continua.

De Carlos do Carmo a Maria João Abreu, as celebridades que nos deixaram em 2021
De Carlos do Carmo a Maria João Abreu, as celebridades que nos deixaram em 2021
Ver artigo

Ricardo recorda ainda que, após uma segunda operação ao aneurisma, houve um momento em que Maria João Abreu, nessa altura consciente, pediu para falar com os filhos. "Amo-vos muito. Beijinhos. Amo-vos", foi o que disse, apesar de tê-lo feito com alguma dificuldade devido aos efeitos da sedação. "Foi isso, foram as palavras finais", termina.

A esperança que tinha na altura resumia-se a que a mãe estivesse bem, mesmo que não fosse por cá. "Sabíamos que ela não quereria nunca sobreviver de uma maneira em que não pudesse ser o que era. Sabíamos que o que queria mesmo era estar bem, mesmo que isso implicasse ter que partir para outra dimensão", referiu a Daniel Oliveira.

Durante os 13 dias em que Maria João Abreu esteve internada, os dias de Ricardo e da mulher, Rita Rodrigues, resumiam-se ao hospital. "Não há palavras que consigam descrever, para já, os 13 dias de angústia desde o momento em que a minha mãe foi para o hospital e em que nós deixámos os nossos filhos na escola e íamos para o hospital todos os dias. Foi um processo full time", recorda.

Contudo, ao mesmo tempo foram os filhos, Matias, de 6 anos e Noah, de 4, que lhes deram alento para ultrapassar o momento difícil. "Fizemos questão de ir buscar os nossos filhos todos os dias às escola. Porque era o nosso escape", disse o artista, que via neles a continuidade da vida. "Eles salvaram completamente esses meus momentos".

"Sempre fomos quatro amigos acima de tudo"

Logo no início da conversa com Daniel Oliveira, o artista Ricardo Abreu Raposo falou sobre a infância, que recordou como feliz ao lado da família: os pais, José Raposo e Maria João Abreu, e o irmão Miguel "Eramos quatro amigos, sempre fomos quatro amigos acima de tudo", afirmou.

José Raposo e Maria João Abreu anunciaram a separação em 2008, acontecimento que o filho mais novo do casal identifica como o mais marcante da sua adolescência. "Há um [momento] naturalmente marcante que é quando os meus pais se separaram e viemos do Cartaxo para Lisboa".

Na altura Ricardo tinha 14 anos e foi estudar para o Chapitô, em Lisboa, juntando-se assim a separação dos amigos do Cartaxo à que já estava a sofrer com o divórcio dos pais.

Da diferença de idades ao nascimento de Lua. A história de amor entre Sara Barradas e José Raposo
Da diferença de idades ao nascimento de Lua. A história de amor entre Sara Barradas e José Raposo
Ver artigo

Apesar de tudo, o filho mais novo de José Raposo e Maria João Abreu reconhece que tanto ele como o irmão, Miguel, tentaram nunca tomar partidos. "É muito difícil, especialmente por serem pessoas que eu tenho como os exemplos de pessoa na minha vida. E por isso é que fomos tão respeitosos. Se alguém foi o culpado ou não ou um fez mais mal ao outro, sempre fomos muito neutros em relação a isso e tentámos apaziguá-lo", disse.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.