Certamente já abriu uma caixa esquecida no frigorífico que, além do cheiro, tinha um aspeto repugnante. Ainda que seja um cenário que ninguém gosta de ver, é sinal de que a comida que cozinhou não tem conservantes e que é o mais natural possível.

Não por esquecimento, mas para provar que nem todos os hambúrgueres resistem ao tempo e têm uma lista de ingredientes cheia de "E", a cadeia de fast food Burger King decidiu deixar um Whooper ao ar livre durante 34 dias para ver o que acontecia. E foi com o lema "a beleza da comida de verdade é a que fica feia" que mostrou a evolução num vídeo em timelapse.

Desde o momento em que o hambúrguer é montado, até à sua decomposição, em que perde volume e ganha bolor, é em tons esverdeados e um aspeto que dá náuseas que acaba o timelapse.

O objetivo é não apenas mostrar que a cadeia de restaurantes Burger King serve hambúrgueres com ingredientes de verdade, como revelar que a aposta da cadeia para este ano é tornar os hambúrgueres ainda mais naturais: sem conservantes, aditivos e corantes artificiais.

O último cheeseburger vendido na Islândia está em exposição há dez anos e quase não mudou
O último cheeseburger vendido na Islândia está em exposição há dez anos e quase não mudou
Ver artigo

No Facebook oficial do Burger King, onde circulou a campanha, a reação foi positiva: "Sinceramente gosto do quão corajosa é esta estratégia de marketing", diz uma utilizadora. Há ainda outra que fala da marca concorrente, a McDonald's, que ao longo dos anos tem mostrado a ideia contrária à da campanha lançado pelo Burger King: "Tenho quase a certeza que isto foi em resposta ao rapaz que tinha um hambúrguer de 20 anos do McDonald's que parecia exatamente igual".

Veja aqui as imagens do hambúrguer com mais de 30 dias.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.