Quando éramos miúdos, os restaurantes dividiam-se entre tascas, tradicionais portugueses, pizzarias e os "caros", que eram guardados para os aniversários dos adultos. Aos poucos lá foi aparecendo um McDonald's ou outro, tivemos um boom de restaurantes chineses, mas a coisa ficava muito por aqui.

Comida. De Gordon Ramsay às tostas de abacate no Instagram, 10 coisas que mudaram nos últimos 10 anos
Comida. De Gordon Ramsay às tostas de abacate no Instagram, 10 coisas que mudaram nos últimos 10 anos
Ver artigo

Corta para o presente, e por onde começar? Japoneses, indianos, tailandeses, rodízios brasileiros. Do fine dining à tasca chique. Petiscos tradicionais e de conceito. Hambúrgueres gourmet, vegetarianos, sítios só de saladas, restaurantes destinados a pequenos-almoços demorados com muitas taças de açaí. A lista é infinita, a nossa paciência para conceitos a nascer como cogumelos a cada esquina a copiarem-se uns aos outros, nem tanto.

Se é daquelas pessoas que só queria um hambúrguer num pão normal e já não os consegue ver em bolo do caco — pior, que de bolo do caco têm muito pouco e envergonham o verdadeiro da Madeira —, e só queria um galão e uma sandes mista para o pequeno-almoço e tem de levar com bowls de iogurtes roxos, este artigo é para si. É só ler as seis modas alimentares que já não aguentamos.

Taças de açaí

À falta de um calçadão carioca para passearmos com cocos na mão, a segunda melhor (?) opção dos portugueses foi renderem-se às taças de açaí. Facto curioso? A primeira vez que vi um copo deste alimento, pensei que fosse alguma variação de chocolate. Mas não. Para quem não sabe verdadeiramente do que estamos a falar, o açaí é uma pequena baga de fruto com um elevado teor antioxidante. Pode ser bebida em sumo, com cereais, em polpa e até misturada com outros ingredientes.

Mas se há uns anos era uma raridade, hoje em dia existe em tudo o que é pequeno-almoço de conceito e até há espaços nos food courts dedicados apenas e só a isso. Sabem aquelas bandas que eram super fixes quando ninguém as conhecia, mas deixaram de o ser quando um tema chegou aos tops e a todas as estações de rádio? É o açaí.

Bowls, bowls, bowls

A palavra em inglês para taça, mas que já ganhou espaço nos menus portugueses. Hoje em dia, parece que tudo é servido em taças (perdão, bowls) e que só o facto de lhe colocarem o nome em inglês é motivo para aumentarem o preço em 3€, quando, na verdade, só estão a comer pouco mais que uma salada mista numa bowl.

É de iogurte, de papas de aveia, de açaí, de arroz de sushi, de tudo e um par de botas. Qualquer dia entramos num restaurante e temos bowls de favas com chouriço. Super visionário, eu sei.

Hambúrgueres em bolo do caco

Quando a primeira Hamburgueria do Bairro surgiu, ficámos maravilhados. Como assim um hambúrguer no tradicional bolo do caco da Madeira? A moda foi tão revolucionária que alastrou e quase que podemos assumir que se tornou um hábito bastante irritante.

É que de uma sanduíche original passámos para uma fase em que o convencional pão de sementes praticamente desapareceu do mapa e só assim conseguimos comer um hambúrguer. Pior: de bolo do caco este pão tem muito pouco, sendo que o que se vê mais por Portugal Continental são bolos do caco farinhentos, moles e sem sabor. Parem com isso, a sério.

Água com cenas

Recordam-se de quando começámos a ser invadidos por águas com todos os sabores e mais alguns? Pois, na altura pensei que a moda fosse desaparecer facilmente — até "porque água com sabor existe há centenas de anos, chama-se chá", ouvi um humorista dizer na altura —, mas parece que não. E piorou. Hoje em dia, o vulgar copo de água que pedimos com o café não é assim tão fácil de conseguir se estivermos num café ou restaurante da moda.

Ele é pepinos, é limão, é canela, é ervas várias, é salsicha enrolada com couve lombarda que metem lá para dentro. Vá, exageros à parte, é assim tão difícil servirem um simples copo de água?

Deixem os abacates em paz e tragam de volta a tosta mista

Uma das melhores memórias de infância que tenho é de lanchar uma tosta mista no mítico balcão do Molhó Bico, em Picoas, quando ia ter com o meu pai ao emprego para voltarmos para casa. E esta não era uma tosta qualquer. Feita em pão de torrada de café bem alta, com uma dose bem generosa de queijo e manteiga por cima, por baixo, por dentro, por todó o lado.

Atualmente, quando ouvimos que nos vão trazer uma tosta, o mais provável é que nos apareça com um abacate em cima. Não, abacate não é manteiga, não é assim tão fixe a não ser que seja num bom guacamole acompanhado de margaritas fresquinhas, e já estamos fartos de ver a clássica tosta assassinada por este verde fruto. E é só a mim que me sabe a mofo? LIBERTEM A TOSTA MISTA.

Ovos benedict com variações estranhas

Esta clássica forma de cozinhar ovos é das modas mais recentes nos brunches dos sítios populares. E se é verdade que esta é uma moda bem recebida — até ver — e que há espaços que conseguem fazer um molho holandês bem bom (como os ovos benedict do pequeno-almoço da Sala de Corte), há variações que não lembram a ninguém.

No fim de semana passado, serviram-me um ovo benedict com ananás no meio do molho holandês. Ananás. No ovo benedict. E depois ananás na pizza é que é sacrilégio? Poupem-me.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.