Existem já vários mercados biológicos, com opções vegan e saudáveis. Mas nenhum como o Gaya Veggie Market. Porquê? Porque este tem um pouco de tudo o que não imagina, refeições, bolos e, acima de tudo, não tem fundamentalismos. Prova disso é que o casal que abriu o espaço, Daniela Costa e Serra e Tiago Costa e Serra, não fazem uma alimentação vegan, mas sim saudável, com pouca carne e peixe e o máximo de frutas e legumes de produtores portugueses — cuidado redobrado pelo facto de terem dois bebés.

Uma vez que moram em Telheiras, foi ali que encontraram um local vago para prosseguir com o sonho de levar um conceito de vida saudável a mais pessoas. O ex-consultor financeiro e a ex-técnica de informática com licenciatura em Gestão Hoteleira fundaram o Gaya Veggie Market, onde apesar de toda a oferta ser vegan, não é exclusiva para quem leva um estilo de vida vegan. "A nossa ideia não é ser só para vegans. Aliás, grande parte do nosso público alvo não são sequer pessoas vegan. São pessoas que querem comer melhor, que querem comer o que é nosso e coisas sobre as quais sabem tudo", refere Daniela à MAGG, acrescentando que recebem muitas pessoas com alergias alimentares, celíacos e outras restrições.

O Gaya Veggie Market é mais do que um mercado de frutas e legumes biológicos e de origem nacional. É também uma montra de produtos saudáveis e que não se encontram na cadeia de supermercados mesmo em frente a este espaço em Telheiras. "Temos mais de 150 produtos a granel, massas e farinhas portuguesas, desde farinha com ervilha, com chia, com espinafres, massas de beterraba, coisas fora do vulgar. Damos muita importância a isso: o português, o vegan, biológico e o diferente, que não se compra em lado nenhum", diz Daniela, referindo que a lista inclui ainda vinagre de limão e de piri-piri. E por incrível que pareça,  os ingredientes irreverentes vêm na sua maioria de fornecedores locais.

Se tiver dúvidas sobre como usar alguns deles, não faltam sugestões na página de Instagram da mercearia vegan. Quer usar farinha de espinafres? Eis uns hambúrgueres de feijão preto para lhe dar forma.

O Gaya Veggie Market aloja ainda um talho vegan em parceria com o já conhecido Capim, que prova que de um talho não vêm só carnes com cortes especiais — aqui, o corte é num rolo de lentilhas, com tomate seco e "queijo". Este é o primeiro espaço físico da marca, na qual encontra também bolinhas de "alheira", hambúrgueres de cogumelos e feijão e um mais elaborado Wellington de castanhas e espinafres.

Uma visita ao Gaya Veggie Market não se resume a andar por entre prateleiras, pode sentar-se no interior ou na esplanada e comer algo da cafetaria vegetal biológica. "É é tudo 100% feito por mim", confirma Daniela. Começa por descrever os doces, como o vegnata (uma versão vegan do tradicional pastel de nata), o salame de alfarroba, o cheesecake de morango com bolacha tipo Oreo, as gomas vegan para as crianças e os bolos de aniversário vegan, como o clássico de cenoura com cobertura de chocolate, mas também se servem refeições.

Todos os dias há dois pratos principais diferentes e opções mais leves, como wrap de cogumelos frescos com batata doce, tostas com húmus ou guacamole ou folhado de tremoço (uma invenção acabada de fazer quando falámos com Daniela). Para acompanhar, sumos detox diários. Existe um menu diário de almoço, composto por prato e sumo do dia, por 11,50€. Já o menu de baguete e sumo diário custa 7€.

Qualquer uma das sugestões pode pedir para levar em take away ou, sem qualquer deslocação, pode receber os produtos do mercado em casa, através de encomenda na loja online. Vai encontrar artigos a granel, de mercearia (incluindo charcutaria vegetal embalada), artigos para animais, para bebés, de higiene pessoal e também as iguarias do talho vegan (desde 7,90€).

Gaya Veggie Market

Localização: Avenida Nações Unidas, 21 1600-531 Lisboa
Horário: segunda a sexta-feira das 08h30 às 20h e sábado das 09h às 20h

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.