No coração de Lisboa, acaba de nascer uma artéria de Itália, do mar português e da memória gastronómica de Portugal. Chama-se Rocco, restaurante que abriu portas esta terça-feira, 7 de dezembro, e está situado no piso térreo do recente cinco estrelas The Ivens hotel, no Chiado.

Falamos em restaurante, mas na verdade são três os espaços — Gastrobar, Crudo bar e Ristorante — deste local imponente, palavra forte que só assim consegue descrever a decoração que resulta de uma parceria entre a Plateform (também responsável pelo Alma, Sala de Corte e Zero Zero) e o conceituado designer de interiores Lázaro Rosa-Violán.

Do legado de um restaurante com história à comida "abraço de mãe". Já fomos ao novo XXL
Do legado de um restaurante com história à comida "abraço de mãe". Já fomos ao novo XXL
Ver artigo

“É um projeto de cariz maximalista, ou seja, em que a decoração tem presença nos padrões, nos tecidos, nos papéis de parede. É muito ao contrário dos projetos que nos têm caracterizado nos últimos anos, como o ZeroZero, em que são mais minimalistas”, refere à MAGG o CEO e fundador da Plateform, Rui Sanches.

Este "cariz maximalista” vai desde o balcão lisboeta do Gastrobar até à casa de banho do restaurante. “Achámos que também a casa de banho tinha de ter um tratamento especial para que toda a experiência não tivesse um elo mais fraco”, diz o CEO, que defende que numa ida a um restaurante, até o momento antes de entrar conta.

Casa de banho Rocco
Casa de banho Rocco créditos: divulgação

Talvez por isso é que o Gastrobar, o primeiro a saltar aos olhos de quem entra no Rocco, tem uma escadaria de mármore negro, com tapete vermelho.

A decoração é de nos deixar perdidos entre cada detalhe, adicionando mais uma razão para voltar ao Rocco, uma vez que cada nova visita será mais uma experiência. Só o Crudo bar tem 12 pratos para provar, o Gastrobar cocktails e uma grande garrafeira, selecionada por sommeliers internos, e o Ristorante variados sabores quentes da cozinha italiana.

No fundo, a versatilidade do Rocco, pretende “honrar aquilo que é a tradição de destino gastronómico de excelência e que o Chiado sempre teve em Lisboa”, diz-nos Rui Sanches.

Um restaurante para cada momento: de convívio e do que pede a gula

Se ainda não sabe onde beber um copo sexta-feira à noite, pode já sugerir aos amigos o Gastrobar do Rocco. Mas é melhor avisar a quem fizer o convite que este é um copo demorado, porque há muito para admirar e degustar.

O bar, com cocktails clássicos e alguns negronis de assinatura, tem também uma grande garrafeira de vinhos portugueses e internacionais (referências que pode levar para casa) espalhados ora na garrafeira vertical que cobre duas paredes do espaço, ora na garrafeira suspensa sobre o balcão central, com 17 lugares.

Não precisa de ir a Banguecoque: a melhor street food asiática está no SOI (e prove os hot dogs)
Não precisa de ir a Banguecoque: a melhor street food asiática está no SOI (e prove os hot dogs)
Ver artigo

Nestes, ou nas mesas junto às janelas, pode acompanhar um copo de vinho com as sugestões da “cozinha essencialmente portuguesa e inclusivamente bastante lisboeta”, refere o fundador da Plateform.

Destacam-se os peixinhos da horta com molho tártaro (6€), as amêijoas da Ria Formosa à Bulhão Pato (27€), o bacalhau à Brás (21€) e o o bife Rocco, o tradicional bife à café marrare (30€), “que é um bife que quase saiu em desuso”, refere Rui sobre o clássico de Lisboa.

Já no Crudo bar, cujos lugares ocupam uma escadaria ascendente que lembra a costa italiana, encontra-se cozinha crua, em especial o marisco português.

Quem vem aqui, já sabe ao que vai: desfrutar de uma refeição com sabor a mar, que até nos faz sentir de férias. É que as paredes estão repletas de fotografias que fazem lembrar as viagens, a praia, no fundo, o verão, enquanto à mesa são servidas ostras do Sado (desde 9€ por três unidades), ceviche de corvina com puré de batata-doce e wasabi peas (21€), e royal de marisco (desde 125€) — opções que podem transitar para as mesas dos outros espaços.

Tratando-se de marisco, não pode faltar uma taça de champagne ou espumante (desde 8€ o copo) para acompanhar.

Da costa italiana passamos para o norte do país que marca com alguns clássicos a ementa do Ristorante. Neste espaço, vai poder deliciar-se com melanzane alla parmigiana (22€), costoletta alla milanese (34€) ou ossobuco com risotto de açafrão (36€). Isto depois de uma passagem obrigatória no vitello tonnato, vitela fria fatiada com molho cremoso (20€) das entrada italianas.

Claro que num restaurante de cariz italiano também tinha de haver pasta, como o tagliatelle Rocco, com presunto de Parma 18 meses e parmigiano Reggiano DOP 15 meses gratinado (24€), e risottos: al funshi, com azeite de trufa branca (24€) é um deles. Vai ainda encontrar opções na grelha ao jantar, como o polvo com molho de tomate seco (26€), que aquece o restaurante nas noites frias em que se inaugura.

Sendo que além do azulejo cerâmico manual vidrado de cor negra que reveste a entrada, as paredes e tetos da sala são pintadas de mostarda e cor de vinho, este último tem de completar a refeição desenhada pelo chef Ricardo Bolas — que também pode degustar no terraza, espaço ao ar livre no meio da vegetação natural.

Para rematar, as sobremesas com inspiração italiana e dedo do chef pasteleiro Claiton Ferreira. “Temos um cheesecake muito peculiar, que é para dividir, e um mil-folhas extraordinário”, refere o CEO Rui Sanches que não consegue ficar-se por duas e adiciona o clássico tiramisù (10€).

Mas temos de admitir: pela descrição na ementa do cheesecake, com morangos e framboesas marinadas, sorbet e jus de morango (16€) e do mil-folhas de avelã de Piemonte, caramelo e gelado de cappuccino (10€), estes são bem capazes de ser os mais requisitados.

Rocco

Localização: Rua Ivens 14, 1200-227 Lisboa
Reservas: +351 210 543 168/ site / reservas para grupos: rocco@rocco.pt

Horários

  • Pequeno Almoço: todos os dias das 6h30 às 10h30
  • Gastrobar: domingo a quarta-feira das 10h30 às 00h; quinta-feira a sábado das 10h30 às 01h
  • Crudo Bar: domingo a quarta-feira das 18h00 às 00h; quinta-feira a sábado: 18h00 às 01h
  • Ristorante: domingo a quarta-feira das 12h30 às 16h00; 19h30 às 00h; quinta-feira a sábado: 12h30 às 16h00; 19h30 às 01h

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.