Uf. Por onde começar um texto sobre "Ele é Demais", o filme que está atualmente no nº1 do top da Netflix em Portugal? Vamos começar pelo início, e o início é o ano de 1999, quando foi lançada a comédia romântica "Ela é Demais", protagonizada por Freddie Prinze Jr. e Rachael Leigh Cook.

O filme, um êxito entre o público adolescente na altura, contava a história de um miúdo parvo mas também giro e popular que faz uma aposta: transformar a nerd da escola numa miúda gira, tornando-a a rainha do baile de finalistas.

21 anos depois, "Ele é Demais", inverte o conceito mas só na questão do género. Agora é a vez de Padgett (interpretada pela estrela do TikTok Addison Rae) pegar em Cameron Kweller (Tanner Buchanan, o Robby de "Cobra Kai"), um miúdo antissocial e amante de fotografia que anda sempre de gorro de lã apesar de viver na Califórnia, mudar-lhe a imagem e fazer dele o rei do baile de finalistas (spoiler alert: Cameron leva banho de loja mas falta ao baile).

Padgett é influenciadora digital e usa o dinheiro dos patrocínios (um dos quais de uma empresa de produtos de beleza cuja dona é Jessica Miles Torres, interpretada por Kourtney Kardashian) para pagar as contas da casa uma vez que a mãe Anna (interpretada pela protagonista do filme de 1999, Rachael Leigh Cook) é enfermeira e não ganha para suportar o estilo de vida faustoso.

A história podia ficar por aqui que estava já toda contada. Mas comparar "Ele é Demais" com "Ela é Demais" é um insulto à comédia romântica de 1999. O filme da Netflix é realizado por Mark Waters que deve ter batido com a cabeça em algum lado, porque não é possível que este desastre tenha saído da mesma mente do genial "Giras e Terríveis".

"Ele é Demais" é um hino à má representação (honrosa exceção para a jovem Isabella Crovetti, que interpreta a irmã de Cameron, e que queremos ver mais, de preferência em papéis de jeito) e uma hora e meia de momentos constrangedores, dos quais destacamos uma pequena lista.

Que séries regressam (ou se estreiam) em setembro? Um guia de sobrevivência
Que séries regressam (ou se estreiam) em setembro? Um guia de sobrevivência
Ver artigo
  1. as lições de moral em torno das redes sociais: Padgett é uma influenciadora do TikTok, namora com outro influenciador, mente sobre o sítio onde vive porque tem vergonha das suas origens humildes. No entanto, como por magia, ao conviver durante meia dúzia de dias com Cameron (que tem um telemóvel de 1999 e não usa as redes sociais) descobre que, afinal, estava a viver uma vida falsa. No final, as intenções ficam em casa e Cameron e Padgett tornam-se travel vloggers;
  2. product placement em todo o lado: da garrafa de água às batatas fritas, passando pelas caixas de Pizza Hut empilhadas na festa de aniversário de Alden, "Ele é Demais" parece só existir para que uma carrada de marcas lá coloquem os seus produtos. Todos metidos a martelo e sem sentido nenhum;
  3. Addison Rae pode ser uma estrela do TikTok mas não é atriz: até pode ter 83 milhões de seguidores, uma fortuna avaliada em 4,2 milhões de euros, mas a jovem norte-americana não sabe representar e isso nota-se. A química com Tanner Buchanan, para piorar as coisas, é abaixo de zero e o filme é uma sucessão de momentos estranhos (e de trocas de roupa, às quais perdemos a conta);
  4. Kourtney Kardashian. Porquê? A irmã mais velha de Kim Kardashian tem um pequeno papel no filme. Não se sabe quanto terá recebido mas deve ter sido para cima de uma pipa de massa. E para quê? Para falar ao telefone e fazer um ar perpetuamente aborrecido;
  5. Aquela battle de dança no baile de finalistas: E, do nada, no baile de finalistas, percebemos que há dois grupos rivais na escola. E como é que se resolve essa rivalidade? Com uma battle de dança vinda do nada. É tudo mau, da música ao horroroso vestido vermelho comprado na loja dos 300 que escolheram para Addison Rae, até à falta de jeito desta para dançar. Se conseguir ver esta cena sem esconder a cara na almofada de tanta vergonha alheia, damos-lhe os parabéns;
  6. "Portugal" aparece no final do filme: já namorados (claro), Cameron e Padgett fazem uma viagem a dois por "Portugal". Só que se percebe perfeitamente que "Portugal" é um trilho qualquer algures nos arrabaldes de Hollywood e que aquela foto na livraria Ler Devagar, no Lx Factory, é apenas uma montagem manhosa.

"Ele é Demais" (na Netflix desde 27 de agosto) é como um desastre de comboio: é tão mau, tão mau que não conseguimos desviar o olhar. Se é tão mau que se torna bom? Também não exageremos.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.