As Doce vão voltar a dar música e, desta vez, será através de uma nova série de televisão que promete continuar a história que começou a ser contada em "Bem Bom", o filme escrito por Filipa Martins e realizado por Patrícia Sequeira, que chegou às salas de cinema em julho.

Aquando da estreia do filme, adiado inúmeras vezes devido ao surto da COVID-19 no País, que obrigou ao encerramento das salas, Patrícia Sequeira falava destas Doce como um organismo que não se limitava apenas a uma produção. "Este é um projeto como um todo: é um filme, uma série e seria muito mais se não existisse uma pandemia. Foi daquelas empreitadas tão gigantes que, em vários momentos, se me apresentaram vários obstáculos que pensei não ser capaz de ultrapassar", contou a realizadora à MAGG.

A vontade de contar esta história foi tal que atores, produtores e técnicos estavam a lidar com dois guiões ao mesmo tempo.

Série que adapta livro de José Rodrigues dos Santos "está escrita". Saiba quando estreia
Série que adapta livro de José Rodrigues dos Santos "está escrita". Saiba quando estreia
Ver artigo

É que, enquanto ao longo das quase duas horas de filme se mostra a ascensão da banda e o fenómeno que criaram na sociedade portuguesa saída de mais de 40 anos de ditadura, a série da RTP, composta por um total de sete episódios, vai mais longe.

"No filme, acabámos por conhecer as Doce enquanto grupo e corpo único, mas na série vamos ter a oportunidade de ir um bocadinho mais a fundo na história de cada uma daquelas mulheres", explica-nos a atriz Bárbara Branco, que dá vida a Fátima Padinha em ambas as produções.

Ana Marta Ferreira, que no filme e na série interpreta Laura Diogo, fala de uma "produção [tematicamente] muito mais dura" quando comparada com o filme. "Na série, é aprofundada a parte pessoal de cada uma e conseguimos perceber melhor as situações" que passaram a fazer parte do quotidiano daquelas mulheres que, sob o escrutínio público, viram-se a braços com assuntos tão atuais como a propagação de notícias falsas.

O filme "Bem Bom" mostrou a formação da banda. A série vai mostrar o declínio

Um dos exemplos mais sonantes tem que ver com o rumor, abordado no filme, de que Reinaldo, na altura jogador do Benfica, terá conduzido a cantora às urgências depois de um envolvimento sexual. Nunca passou de uma mentira, mas o boato viralizou, e fez estragos, numa altura em que esse conceito ainda não era conhecido.

É nesse sentido que a atriz fala da série como uma "extensão daquilo que é a banda", na medida em que aborda, "de forma mais pormenorizada e específica, quem são aquelas mulheres e o que foi aquilo por que cada uma delas passou" enquanto membro integrante de uma das primeiras girls band da Europa — que, apesar disso, é fruto da mente de homens como o compositor Tozé Brito e Cláudio Condé, presidente da editora Polygram.

Da vitória no Festival da Canção ao declínio

Carolina Carvalho especifica, exatamente, as diferenças estruturais que separam a série do filme. "O filme acaba com a vitória no Festival da Canção [em 1982], enquanto a série arranca logo após esse momento para nos mostrar o que acontece depois disso", continua.

No fundo, vai até "ao fim da primeira formação da banda", acrescenta Lia Carvalho. "Acaba por ser um produto mais prolongado no tempo e também mais duro, claro", diz Carolina.

"Bem Bom". As Doce que "jogaram fora do baralho" e "tocaram os extremos"
"Bem Bom". As Doce que "jogaram fora do baralho" e "tocaram os extremos"
Ver artigo

E embora o filme mostre um Portugal ainda a preto e branco e a série continue a reforçar essa tonalidade, para Ana Marta Ferreira a mensagem é ainda mais profunda. Apesar de conceder que o filme e a série tratam temas "absolutamente atuais", como a propagação de notícias falsas, isso acontece porque, nas suas palavras, Portugal "está a retroceder" e parece ter laivos de intolerância para com o outro no ar.

"Ainda bem que esta história consegue mostrar isso e ainda bem que as pessoas conseguem ver que, afinal, estamos a andar para trás. Espero que seja uma mensagem para toda a gente, até porque será mais acentuada na série".

Na altura em que filmaram o filme, gravaram também a série e tinham dois guiões. Há cenas "um bocadinho diferentes" daquelas que aparecem no filme, continua Ana Marta Ferreira, mas que as atrizes se recusam a partilhar para não estragar a surpresa de quem vai ver.

"Vamos deixar que isso aguce a curiosidade do público", dizem-nos.

Tal como o filme, também a série vai contar com uma grande componente musical, através de atuações, ensaios e momentos em estúdio. O primeiro episódio de "Doce" estreia-se já a 2 de outubro, às 21 horas, na RTP1.

Depois disso, os restantes episódios serão disponibilizados semanalmente e sempre aos sábados. Do elenco fazem ainda parte nomes como José Mata, João Vicente, Igor Regalla, Hélder Agapito e Eduardo Breda.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.