Mitch é um pivô de televisão charmoso e uma das estrelas do canal americano para que trabalha há vários anos. A popularidade, no entanto, distorceu-lhe a bússola moral e ética que o guia, tornando-o num dos mulherengos mais prepotentes da estação, que trai, seduz e manipula mulheres, suas colegas, que se deixam levar por um convite que não põem em hipótese recusar. Que impacto é que isso terá nas suas carreiras? Não sabem, não querem saber. E arriscam.

Esse convite, claro, leva a uma cama na qual o corpo de uma mulher, inerte, é explorado, violado e aproveitado de forma doente por quem não percebe os sinais; por quem não entende o conceito de consentimento; por quem se mantém convicto de que não é um predador, protegido pelo corporativismo que o incentiva a continuar.

A série que ninguém está a ver (mas devia). "Kalifat" é tão intensa como "Segurança Nacional" e "24"
A série que ninguém está a ver (mas devia). "Kalifat" é tão intensa como "Segurança Nacional" e "24"
Ver artigo

Esta é uma das cenas mais importantes de "The Morning Show", a primeira grande série da Apple TV+ que junta Jennifer Aniston e Steve Carell nos papéis principais enquanto pivôs de um dos maiores programas de daytime dos Estados Unidos.

Embora O momento aconteça na reta final da história, este é daqueles acontecimentos anunciados logo no primeiro episódio da série quando toda a equipa da estação se vê a braços com a revelação bombástica de que Mitch, a estrela do canal, é despedido depois de graves alegações de assédio e abuso sexual no trabalho.

O argumento da serie divide-se em várias sub-histórias — como a guerra das audiências ou a competição entre jornalistas que querem o estrelato que antes pertencia a Mitch  —, mas o foco principal é as relações de poder no trabalho e como o corporativismo de uma empresa se sobrepõe à segurança e bem-estar dos seus empregados.

É que, sabe-se depois, aquela foi só uma das transgressões do pivot que tinha a proteção do CEO do grupo que, em troca de bons resultados comerciais, abafava as queixas aliciando quem o denuncia com avanços na carreira ou aumentos salariais.

12 séries emocionantes que nos fizeram (e ainda fazem) chorar
12 séries emocionantes que nos fizeram (e ainda fazem) chorar
Ver artigo

"The Morning Show" é, por isso, talvez a mais interessante produção televisiva a encarar de frente, e a desconstruir, o movimento #MeToo, as relações de poder em contexto profissional e a forma como um predador sexual se convence de que não o é.

E ainda que a série não tenha sido nomeada para as categorias principais dos Emmys, valeu a Steve Carell e a Jennifer Aniston as nomeações para Melhor Ator e Melhor Atriz Principal em Série Dramática, respetivamente. E está inteiramente disponível na Apple TV+, o serviço de streaming da Apple que chegou a Portugal a novembro de 2019, para que possa começar já a ver antes da entrega dos prémios mais importantes da indústria da televisão — a 21 de setembro.

Mas há mais nomeados. É o caso de "Succession", a série de drama da HBO sobre o mundo dos ricos e poderosos, ou "Little Fires Everywhere", que conta com Reese Witherspoon no papel principal e que vai a jogo na categoria de Melhor Série.

No total, são 28 as séries nomeadas e que pode ver em Portugal. A única exceção é "The Handmaid's Tale" que, embora esteja nomeada para Melhor Série Dramática, só estreia a segunda temporada em Portugal a 8 de agosto. A terceira temporada está no No NOS Play, o serviço da NOS.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.