Se por um lado a privação de sono faz de nós uns zombies quando temos um filho, por outro não conseguimos esconder a felicidade que sentimos ao ver o primeiro sorriso do nosso bebé (já sabemos que são mais espasmos involuntários que outra coisa nos primeiros tempos, mas deixem-nos ser felizes).

Se ficamos a bater mal com a porcaria que fica no chão da cozinha a seguir à primeira sopa, parecemos umas malucas quando o nosso filho faz xixi pela primeira vez no bacio. E nunca, nunca mais, vamos ter uma noite totalmente descansada na vida, seja pelo choro dos primeiros meses ou pela primeira saída à noite aos 16 anos.

Ser mãe (e pai, claro está) é tudo isto. É viver numa constante dualidade de sentimentos, que num momento nos faz sentir completamente perdidas nesta jornada da maternidade, com constantes dúvidas e incertezas, e no outro nos dá uma força inesgotável para ajudar os nossos filhos no que for preciso.

Quem está em teletrabalho com os miúdos em casa merece uma medalha de Marcelo quando isto tudo acabar
Quem está em teletrabalho com os miúdos em casa merece uma medalha de Marcelo quando isto tudo acabar
Ver artigo

Mas a maternidade é, sem dúvida, o tema com mais opostos e que faz das mães bipolares numa base diária. Este domingo, 3 de maio, data em que se celebra o Dia da Mãe em Portugal, perguntámos a oito mulheres o que consideram ser o melhor e o pior da maternidade. Veja as respostas:

"O melhor é o amor incondicional que se sente e que se recebe. O pior? As noites mal dormidas e o equilíbrio das tarefas do dia a dia."

Patrícia de Sá Oliveira, 32 anos, produtora de moda

dia da mae testemunho
Patrícia com os dois filhos, Lucas e Xavier

"A melhor coisa é a alegria, a brincadeira, a paz, o colo. A conexão e a partilha. Má, foi difícil lembrar-me, mas escolho as birras, as discussões entre irmãos e o cansaço na cabeça por causa dessas mesmas discussões."
Bárbara Ramos Dias, 45 anos, psicóloga especializada em crianças e adolescentes

Dia da Mãe. 8 mulheres elegem o pior e o melhor da maternidade
A psicóloga com dois dos seus três filhos, Francisca e Vicente. Bárbara também é mãe de Vasco, o seu segundo filho

"Sinceramente, acho que o melhor é mesmo o sentimento que provoca dentro de nós. O pior acaba por ser o cansaço físico e psicológico, e quando achamos ou sentimos que falhámos enquanto mãe, e temos de lidar com esses sentimentos."
Rita Nunes, 35 anos, designer

Enjoos, não beber álcool e mini pés enfiados nas costelas: 23 mulheres partilham o que não gostaram durante a gravidez
Enjoos, não beber álcool e mini pés enfiados nas costelas: 23 mulheres partilham o que não gostaram durante a gravidez
Ver artigo

"Saber que é possível amar alguém incondicionalmente é o melhor, bem como receber um beijinho do meu filho. O pior são os primeiros meses sem dormir."
Andreia Neves, 41 anos, advogada

"O melhor e o pior é exatamente a mesma coisa. Ou seja, este amor enorme é quase irreal que nos enche o peito, e é tão bom de receber em troca. Mas, ao mesmo tempo dói, pois está sempre presente uma moinha de preocupação que nunca desaparece, tal é o medo que algo possa acontecer aos nossos filhos. Claramente que também não nos podemos esquecer de nós enquanto ser individual, mas o nosso centro passam a ser estes seres que estão ligados a nós de uma forma inquebrável. Sejam filhos ou enteados, é um amor maior."
Tânia Tadeu, 36 anos, consultora de comunicação

dia da mae testemunho
Tânia Tadeu com os dois enteados, Martim e Gaspar, e o filho Guilherme

"O melhor é o cheiro da curva do pescoço dos meus filhos, precisamente naquele quadradinho de pele entre o fim dos cabelos e o início do ombro. O pior é que tudo se serve frio. O leite fica frio, o café é frio, as batatas fritas ficam moles e frias, e a sopa também."
Joana Martins, 36 anos, médica pediatra

"O melhor da maternidade tem sido acompanhar na primeira fila o crescimento do ser humano. Criar este laço emocional de um amor incondicional que tanto ouvimos falar, mas que só quem é mãe sabe o que é. Viver a resiliência, a abnegação, a tolerância na primeira pessoa em prol do outro. Vê-lo crescer. O pior tem a ver também com o crescimento. As birras, a energia que nos consome, a privação do sono, o tempo que nos rouba a nós, o passar para segundo plano. Esta última é a que me custa mais, na verdade."
Inês Fontoura, 42 anos, PR manager de retalhista cosmética

dia da mae testemunho
Inês Fontoura com o filho Luca

"Há quase um mês que vivo com o coração fora do peito. E para mim isso é, ao mesmo tempo, o melhor e o pior da maternidade. O pior porque me sinto em constante estado de alerta — e o que isso cansa, sobretudo à noite —, e o melhor porque parece literalmente que o coração não cabe no peito de tanto amor por alguém que chegou há tão pouco tempo ao meu mundo."
Rita Tilly, 36 anos, account digital

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.