Já lá vai o tempo em que o Instagram servia apenas para publicar aquela foto do brunch de domingo. Agora, a rede social apresenta uma quantidade absurda de ferramentas que vão muito além da simples partilha de fotografias e vídeos pessoais. 

Não só as grandes marcas têm vindo a aproveitar a imensa oferta e visibilidade que a aplicação lhes concede como existem cada vez mais pequenos negócios a surgir na nossa página de pesquisa. Estas 5 empreendedoras portuguesas recorreram à rede social para impulsionar as suas criações e nós damo-las a conhecer.

Funky Garden 

Diretamente do “jardim” de Camila Feres para adornar as nossas orelhas, chega a Funky Garden. Este projeto nasce no primeiro confinamento, de "uma panca por brincos" e um enorme desejo de começar o seu próprio negócio, após ter regressado de Barcelona, onde se licenciou em Design Gráfico.

A jovem artista de 22 anos explica que foi experimentando "uns materiais diferentes até chegar ao fimo", que moldou na flor que hoje vende nas mais diversas cores, padrões e tamanhos. Agora, instalada na oficina Maria16, em Lisboa, Camila prepara-se para levar a marca além dos brincos.

Nana Bandana

Passem os anos que passarem, o lenço é a peça que não sai do armário de Naomi Pierce, 27 anos. "Ao pescoço, no cabelo, como top, se há alguma coisa que eu de fato uso desde sempre são lenços", conta à MAGG. É daqui que surge a ideia de criar a Nana Bandana.

Acabadinha de ser lançada, a marca tem como mote "aliar um acessório clássico a padrões mais modernos", todos eles inspirados nas mulheres que dão o nome aos dez modelos ainda disponíveis no site - isto porque dois já estão esgotados.

Pomme

Foi também durante a primeira quarentena que Rita Cavaco, 22 anos, pôs as mãos na massa (literalmente). Fanática por canecas, o namorado desafiou-a a fazer a sua própria: "mandei vir uma pasta de um atelier e comecei a fazer, só que em vez de fazer uma, fiz umas dez", recorda entre risos.

A vontade de continuar a criar associada a um mestrado em Marketing Digital dão origem à Pomme, a marca detentora dos utensílios de casa mais amorosos de sempre.

O que é nacional é bom (e digital). Conheça as marcas online com pronúncia do norte
O que é nacional é bom (e digital). Conheça as marcas online com pronúncia do norte
Ver artigo

Luna World

Filipa Marques tem 24 anos e herdou a paixão pela costura da avó. Os seus primeiros tecidos foram comprados em Barcelona, quando estava a terminar o mestrado em Design e Publicidade. "Na altura, não sabia o que fazer com eles, mas apaixonei-me e guardei-os".

Um ano mais tarde, a mala baguete era o acessório queridinho das it girls e também Filipa não conseguiu ficar-lhe indiferente. Começou por partilhar as suas criações com os ditos tecidos no perfil pessoal, mas a procura foi tanta que o melhor a fazer foi mesmo criar a página da Luna World.

Feike Store

Numa altura em que estava a mudar de casa, Gabriela Duarte teve a ideia de fazer as suas próprias velas. Coloridas, deformadas, a designer de bijuteria de 32 anos quis "fugir do convencional". E qual não foi a surpresa quando, ao publicar imagens das suas criações nas redes sociais, choveram mensagens de amigos a perguntar onde as comprava.

Abriu assim, em dezembro do ano passado, a conta de Instagram da Feike. Para acompanhar estas velas super duper cool, Gabriela também vende peças de cerâmica.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.