Será já a partir de 1 de novembro que o WhatsApp, uma dos serviços de troca de mensagens mais populares do mundo, vai deixar de funcionar em vários telemóveis. No total, são 43 os modelos de smartphone que deixarão de ser compatíveis com a aplicação que pertence ao grupo Facebook, que entretanto mudou de nome para Meta.

A mudança tem que ver com o facto de, à medida que a aplicação se vai tornando cada vez mais avançada e com novas funcionalidades, não ser possível mantê-la atualizada em equipamentos com sistemas operativos antigos — sejam eles iPhone ou telemóveis Android.

No que toca ao ecossistema da Apple, o WhatsApp recomenda que os utilizadores tenham um equipamento que seja compatível com o sistema operativo iOS 10 ou mais recente. Nos Android, a empresa recomenda o uso de uma versão acima da 4.1.

Signal e Telegram cada vez mais populares. Afinal, o WhatsApp deixou de ser seguro?
Signal e Telegram cada vez mais populares. Afinal, o WhatsApp deixou de ser seguro?
Ver artigo

Isto significa que, já a partir de 1 de novembro, todos os modelos que não tenham acesso a esses sistemas operativos deixaram de funcionar. Nos iPhone, isso apenas inclui o iPhone 4s, lançado em 2011. Os iPhone SE, 6s e 6s Plus foram lançados no mercado com o iOS 9, mas podem ser atualizados até à versão mais recente do novo iOS (a versão 15), o que significa que poderão continuar a usar a aplicação.

No que toca à gama de smartphones da Samsung, a lista é longa. Estes são os que deixarão de ser compatíveis com o WhatsApp já a partir da próxima segunda-feira: Samsung Galaxy Trend Lite, Galaxy Trend II, Galaxy SII, Galaxy S3 mini, Galaxy XCover 2, Galaxy Core e Galaxy Ace 2.

Da gama Sony, o Sony Xperia Miro, Xperia Neo L e Xperia Arc S também deixarão de ser compatíveis.

Nos Huawei, estes são os modelos afetados: Huawei Ascend G740, Ascend Mate, Ascend D Quad XL, Ascend D1 Quad XL, Ascend P1 S e Ascend D2.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.