Quando o Facebook era ainda o fenómeno mais potente e o Instagram um curioso recém-nascido, nasceu, em 2013, o Portal da Sabedoria: uma plataforma educativa disponível no Youtube, que funcionava como uma espécie de explicador digital — em vídeo, no qual os melhores alunos de Ciências e Economia da esfera académica auxiliavam à distância quem estudava as matérias inerentes a estas duas áreas. Foi um sucesso. "Foi bastante impactante e mostrou-me o poder do conteúdo digital. Foi isso que me deixou mais apaixonado", conta à MAGG Francisco Lopes, um dos envolvidos na criação do projeto.

Seis anos depois do Portal da Sabedoria, concretizado um MBA na Universidade de Stanford e agora num mundo que tem tanto de real como de digital, o português rumou a Los Angeles para se juntar ao amigo de infância Francisco Schmidberger, que lhe lançou um desafio: criar uma nova startup na área do marketing de influência. Chama-se Link e, resumidamente, é uma plataforma que funciona como uma espécie de c dos influenciares do mundo digital. Curiosos? Vamos a pormenores.

Peoople. A nova app viral é uma espécie de Pinterest que lhe dá dinheiro
Peoople. A nova app viral é uma espécie de Pinterest que lhe dá dinheiro
Ver artigo

A ganhar forma desde 2019 e ainda em fase beta, o projeto destes dois franciscos materializa-se numa aplicação que está desde o início de 2020 disponível apenas para membros seleccionados, nesta primeira fase do universo Tik Tok. Aqui, e à semelhança da outra rede social de networking, criadores de conteúdo digital têm a oportunidade de se ligar, de criar sinergias e de criar conteúdos diferentes tirando partido das valências e talentos dos diferentes elementos (podem ver um exemplo aqui), potenciando, em simultâneo, o alcance das suas criações. O alcance dispara exponencialmente. Basta pensar: se temos, por exemplo, dois infuenciadores com milhões de seguidores na mesma publicação, aquele conteúdo vai ser assistido pelas duas comunidades.

link

Francisco Lopes  fala-nos a partir de uma chamada Skype que nos liga a Los Angeles. “Qualquer Tik Toker com sucesso muda-se para LA”, conta. “É a melhor cidade do mundo para esta comunidade, que tem já um alcance de 60 milhões. É uma cidade perfeita para fazer empresas de tecnologia porque estamos a uma hora de voo de São Francisco. Há muito talento aqui e, por isso, vemos que há todo um ecossistema a começar. Encontrei uma cidade que me surpreendeu bastante.”

O Facebook chegou para conectar pessoas de todo o mundo. O Instagram veio depois como uma componente mais ligada à imagem. O TikTok, com 1,5 mil milhões de utilizadores mensais em todo o mundo, amplamente consumida pela geração Z (nascidos entre 1995 e 2012), dá uma oportunidade diferente: mais do que uma plataforma de contacto direto ou de exposição pessoal, é uma montra de criatividade. Aqui, e com ferramentas simples que cabem num smartphone, criam-se vídeos e faz-se entretenimento.

“Começa a ser uma rede social, mas também é uma plataforma de consumo de conteúdo. Não é tanto sobre as pessoas", diz.“Com o Link, uma pessoa que toca piano de olhos fechados pode juntar-se a outra que sabe dançar muito bem. Dá a oportunidade de, num conteúdo, reunir vários skills, aumentando a criatividade do conteúdo e potenciando o potencial viral, porque se envolve a comunidade de mais de um influenciador.”

O projeto, explica Francisco, evolui passo a passo, com a calma necessária para que se crie um plataforma consistente e de valor. Nesta altura, a startup dos portugueses, que conta já com uma equipa de nove elementos, estão concentradas na criação de uma comunidade forte. “Queremos maximizar as interações do utilizadores e só depois, quando chegarmos a esse ponto, é que expandimos.”

Dona Rosa é a nova app que lhe leva roupa lavada e engomada até casa
Dona Rosa é a nova app que lhe leva roupa lavada e engomada até casa
Ver artigo

De acordo com Francisco Lopes, já há vários influenciadores interessados em juntar-se à plataforma. Apesar de o Link não estar ainda disponível para download nas lojas de aplicações, os criadores digitais dão conta da sua existência, porque a o nome tem vindo a ser mencionado nas contas daqueles que já fazem parte da comunidade. “Já temos um valor grande de pessoas que se querem juntar ao Link”, conta. “Neste momento, temos um site com um formulário, onde as pessoas podem escrever uma espécie de carta de motivação para se juntarem. Depois, nós analisamos: olhamos para as métricas, números de seguidores e conversamos com a pessoa.”

Além de parcerias entre criadores de conteúdo digital, o Link vem abrir mais portas: as marcas vão poder entrar e tirar partido desta ferramenta. Vão poder juntar-se aos criadores, criar negócio com os mesmos, potenciando o retorno económico e explorando este ainda inexplorado universo de milhões.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.