Dia 173874 do confinamento. Conseguiu o inatingível. Terminou os catálogos da Netflix, da HBO, os filmes da Hollywood, da TVCine e dos canais generalistas. Já não há nada para ver. Caos, pânico. E agora?

Nós dizemos-lhe: está na hora de mergulhar no admirável mundo do streaming da Amazon Prime Video (5,99€ por mês), repleta de conteúdo novo por explorar e disponível em qualquer Smart TV (e nas boxes Vodafone).

As 100 melhores séries da última década segundo o IMDb
As 100 melhores séries da última década segundo o IMDb
Ver artigo

Para que não se perca, deixamos uma lista com dez excelentes opções por onde pode começar. Da comédia, à acção, sem esquecer o drama ou romance, agarre nas pipocas, nas mantas e sente-se confortavelmente. Tem aqui horas de trama para ver.

1. The Americans

Elizabeth e Philip Jennings vivem o sonho americano: têm uma bonita casa, um carro, dois filhos e uma agência de viagens que lhes dá uma vida desafogada. Mas não é bem assim: na década de 80, em plena guerra fria, eles são na verdade dois espiões russos do KGB — que vivem ao lado de um agente do FBI, já agora. Uma ficção que recria parte da história, que faz referência a sentimentos e momentos históricos reais, mostrando aquilo que foi a vida dos agentes soviéticos infiltrados, ao longo de décadas, no país opositor.

Criada por Joe Weisberg, antigo agente da CIA,  tem seis temporadas. Um longo e emocionante binge watching para esta quarentena.

2. Seinfeld

Esta é daquelas que o vai deixar a rir sonoramente em frente à televisão. Uma série que é sobre nada, mas que na verdade é sobre tudo. Um fenómeno que invadiu a televisão no final da década de 80, acompanhando a de 90, em nove temporadas.

Criada pelo comediante Jerry Seinfeld, que aqui protagoniza uma caricatura de si próprio, e por Larry David, retratado por Jason Alexander, na pele George Costanza, integra ainda no elenco a incrível Julia Louis-Dreyfus na personagem de Elaine, o rei do humor físico Michael Richards que aqui é  Kramer. Uma lufada de ar fresco para animar o espírito. Uma série que, apesar de já somar umas décadas, envelheceu em (quase) todos os aspetos muito bem.

3. Fleabag

Se ainda não viu, ponha já no topo das suas prioridades. É que isto é humor negro da mais soberba categoria. Com a assinatura da enorme Phoebe Waller-Bridge, criadora, realizadora e protagonista, narra a conturbada jornada de uma jovem mulher traumatizada por uma grande perda. A série britânica, com duas temporadas e que tem Londres como pano de fundo, levou para casa quatro prémios Emmy em 2019, incluindo Melhor Comédia, Melhor Guião de Comédia e Melhor Atriz em Série de Comédia.

4. The Boys

Não precisa de gostar de super-heróis para ver esta série, baseada na banda desenhada com o mesmo nome, criada por Garth Ennis e Darick Robertson. É que aqui os sete mais poderosos da Terra têm, afinal, enormes problemas de carácter. Surgem inseridos na sociedade, mais concretamente numa empresa maléfica que capitaliza os seus dons da forma que mais lhe convier. Em duas temporadas, cabe então "aos rapazes" comuns detê-los e mostrar ao mundo que os heróis são afinal os vilões.

5. "Modern Love"

Romance, humor e drama com nível e profundidade, baseado numa coluna semanal publicada no jornal "The New York Times". Com apenas uma temporada, e episódios de cerca de meia-hora com narrativas independentes umas das outras, prepara-se para rir, para chorar e para não largar a televisão ao longo dos 12 episódios, que contam com a atuação de vários atores conhecidos, desde Anne Hathaway, Tina Fey, Andrew Scott ou Dev Patel, que levou para casa o Emmy de Melhor Ator Convidado em Série de Comédia, em 2020.

6. "The Marvelous Mrs. Maisel"

Gosta de stand-up? Do imaginário das ruas de Nova Iorque? Das modas dos anos 50? Da emancipação feminina? Então, é ver esta série, com a brilhante Rachel Brosnahan, na pele de Miriam Maisel, uma dona de casa cujos planos de vida iniciais passam por casar e ter filhos. Só a coisa não corre bem como planeado: ela passa não só a divorciada e estrela da comédia, como a mulher independente e politicamente incorreta. Criada por Amy Sherman-Palladino, tem por enquanto três temporada e foi vencedora de vários prémios, incluindo os Globos de Ouro, nas categorias de Melhor Série de Televisão — Musical ou Comédia (em 2018) e Melhor Atriz em Série de Televisão — Musical ou Comédia (em 2018 e 2019).

7. "This is Us"

A história da família Pearson começa no final dos anos 70, desde o dia em que vêm ao mundo os trigémeos Jack, Kate e Randall. Um drama familiar com cinco temporadas, criado por Dan Fogelman, daqueles em que convém ter um pacote de lenços de papel por perto. Sim, é dessas. Mesmo para chorar.

8. "The Office"

A adaptação americana de Greg Daniels da série originalmente britânica "The Office" (aí com assinatura de Ricky Gervais) está na Amazon. Com Steve Carell, Rainn Wilson, John Krasinski, Jenna Fischer e B.J. Novak no elenco, assume a forma de um pseudocumentário cómico e retrata o dia a dia na filial de Scranton da empresa de papel Dunder Mifflin Paper Company.

9. "Parks and Recreatiton"

Leslie Knope, interpretada por Amy Poehler (vencedora de um Globo de Ouro por este papel em 2014), é uma burocrata de nível médio no Departamento de Parques e Recreação de Indiana, que quer construir um parque comunitário para embelezar a sua cidade (e subir na carreira). A tarefa é mais difícil do que parece — mas é deliciosa para quem assiste. Criada por Michael Schur e Greg Daniels, tem sete temporadas.

10. "Homeland"

Se tem saudades de sentir intensamente, então está aqui o seu antídoto. Esta é daquelas que o vão deixar a suar, com o coração a palpitar e com os olhos colados ao ecrã. Uma das melhores séries de espiões da televisão, muito aclamada pela crítica, com Claire Danes no papel da explosiva, ousada e perturbada oficial de operações da CIA Carrie Mathison.

Uma adaptação de Howard Gordon e Alex Gansa da série israelense "Prisioneiros de Guerra", criada por Gideon Raff. As primeiras temporadas contam ainda com a participação de Damian Lewis ("Band of Brothers"), na pele de Nicholas Broady, um prisioneiro de guerra que, suspeita-se, passou para o lado da Al-Qaeda.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.