A partir desta segunda-feira, 4 de janeiro, as manhãs da TVI serão na companhia de Maria Botelho Moniz e Cláudio Ramos. É a primeira vez em 16 anos que este horário muda de programa, de registo e de apresentadores com a estreia de "Dois às 10". As expectativas eram, portanto, elevadas, até para os apresentadores que gravaram um pequeno segmento inicial em que Cláudio Ramos telefona a Maria Botelho Moniz a acusar nervosismo antes do arranque de novo programa das manhãs que vai ter conversas, música ao vivo e boa disposição.

 "Será que as pessoas vão gostar de mim, Maria?", pergunta Cláudio. "De mim vão gostar de certeza, de ti não sei", responde Maria em tom humorístico. A frase é simples, mas marca o registo descontraído e cúmplice que viria a marcar a relação entre ambos ao longo de toda a emissão.

Cláudio Ramos recorda sonhos de menino antes de dupla estreia. "Eu tinha tudo contra mim"
Cláudio Ramos recorda sonhos de menino antes de dupla estreia. "Eu tinha tudo contra mim"
Ver artigo

Analisado friamente o formato, facilmente se conclui que não traz nada de novo — a não ser os rostos — às manhãs da televisão, mas será que há necessidade de mudar (e é possível inovar neste horário?) quando o que está em vigor funciona? Talvez não.

A MAGG viu a estreia de "Dois às 10" que contou com um dos momentos mais emotivos da emissão, com Manuel Luís Goucha a ajudar uma família que perdeu a casa dos seus sonhos para um incêndio no dia de Natal. Como? Através de uma doação de 35 mil euros.

Se não teve oportunidade de ver a estreia do novo programa das manhãs da TVI, mostramos-lhe exatamente o que aconteceu, ponto por ponto.

1. O arranque do programa com um momento questionável

Depois do segmento gravado com Cláudio Ramos a telefonar a Maria Botelho Moniz, cada um nas suas casas a preparem-se para a estreia do programa, entra o genérico do formato que é interrompido por uma notícia de última hora da TVI.  Sara Sousa Pinto, a jornalista responsável pelo noticiário da manhã, volta à emissão para noticiar que há, em Lisboa, um camião suspeito a transportar matérias perigosas.

A seriedade da "notícia" é desmanchada logo ao início, ainda antes de sabermos que, na verdade, é Cláudio Ramos e Maria Botelho Moniz quem estão no camião. Mas numa altura em que muito se fala da problemática das notícias falsas e da linha ténue que separa a informação e o entretenimento, temos dúvidas de que o momento seja assim tão relevante quando, pelo menos nos primeiros segundos, tudo parece credível.

2. Estúdio sóbrio, acolhedor e familiar

Para quem se habituou a "Programa de Cristina", o estúdio de "Dois às 10" parecerá familiar. Apresentado com uma mistura de castanhos e azuis néon muito subtis, a nova "casa" dos apresentadores é acolhedora, sóbria e convidativa.

Além dos sofás amplos, que pedem conversas longas, intimistas e com vários convidados, há ainda uma kitchenette na qual Cláudio Ramos fez batidos e descascou cenouras à medida que punha a conversa em dia com a amiga e apresentadora. Ver isto é ficar com a sensação de que já vimos a mesma fórmula usada noutro lado. Mas se funciona, porquê mudar?

3. O caos (bom) de Cláudio Ramos

"Esperei 20 anos para ter uma cadeira só para mim", desabafa Cláudio Ramos nos minutos iniciais do programa. Ainda que seja difícil preencher o local deixado por Manuel Luís Goucha (que mesmo não estando fisicamente, conseguiu protagonizar o momento alto do programa), vamos arriscar dizer que a dupla Cláudio-Maria funciona — muito devido à química, à cumplicidade e à troca de picardias, sempre saudáveis, entre ambos. Como se de dois amigos se tratasse.

Essa relação sai muito beneficiada pela genuinidade de Cláudio Ramos, com tudo o que isso tem de bom e de mau. Se por um lado emprega um ambiente de boa disposição e de imprevisível a cada momento, também é verdade que proporciona momentos mais constrangedores e aos quais o apresentador já nos tem vindo a habituar.

Cláudio Ramos. "Eu era na SIC uma eterna segunda ou terceira figura"
Cláudio Ramos. "Eu era na SIC uma eterna segunda ou terceira figura"
Ver artigo

Na primeira emissão dos "Dois às 10", um dos segmentos contava com a presença de uma sexóloga para explicar o impacto que a falta de sexo podia (ou não) ter nas pessoas de todas as idades. A sexóloga explicou e reforçou, por diversas vezes, que não há uma norma para quantas vezes se deve fazer sexo, uma vez que isso depende sempre de vários fatores.

Mas Cláudio Ramos insistiu que sim e que se estivesse ali "outro homem" a resposta seria diferente. Embora a interação tenha sido marcada pela habitual dose de brincadeira do apresentador, por vezes era difícil haver foco no tema — que era sério — devido a um certo caos (bom e divertido) que as suas intervenções traziam.

Se isso importará ao espectador comum? Talvez não. A mim, que estou a escrever este texto, também não. Afinal, a televisão quer-se certinha, sem imprevistos ou momentos constrangedores. É sempre interessante quando essa ideia de perfeição é desconstruída em direto e de forma inesperada.

4. A queda de um equipamento de produção no estúdio

E porque falámos em desconstrução inesperada da ideia de perfeição, houve um equipamento da equipa de produção que caiu no estúdio durante a emissão do programa e que assustou os apresentadores. Não se sabe exatamente o que caiu, ou por que motivo, mas contribuiu para um momento inusitado — que foge ao guião e ao controlo dos apresentadores.

Manuel Luís Goucha. "Nunca deixei de ser feliz, mesmo perdendo"
Manuel Luís Goucha. "Nunca deixei de ser feliz, mesmo perdendo"
Ver artigo

Maria Botelho Moniz apressou-se a quebrar o gelo, e bem. "Sempre me disseram que era sinal de sorte cair alguma coisa na estreia de um programa. Agora, já caiu."

5. A cumplicidade entre os apresentadores

Ao longo da emissão, Cláudio Ramos e Maria Botelho Moniz foram brincando um com o outro. Ele perguntava-lhe se estava a pensar engravidar; ela perguntava se ele já tinha alguém.

No final, riam neste exercício de darem a conhecer um bocadinho mais de si a quem vê, num registo que deverá ser, mais do que as pessoas que convidem ou as histórias a que deem visibilidade, a imagem de marca deste "Dois às 10".

6. As visitas em direto e os presentes

Para celebrar a estreia do novo programa das manhãs da TVI, passaram pelo programa figuras como a jornalista Lurdes Baeta, o ator Paulo Pires e fadista Gisela João. Cada um trouxe vários presentes para desejar boa sorte aos apresentadores, servindo de pretexto para falar sobre as suas estreias — já que este era um dia de estreias — nos seus respetivos meios.

Do caos (bom) de Cláudio Ramos à surpresa de Goucha, assim foi a estreia de

Lurdes Baeta falou da sua estreia como pivô da TVI, Gisela João no fado e Paulo Pires no teatro, recordando um ritual que ainda hoje mantém — o de antes de qualquer peça, espreitar pela cortina que separa o palco da plateia para se focar no sapato de alguém do público.

"Não tenho nenhum talismã [o ator ofereceu um sapato aos apresentadores], mas lembro-me de que quando comecei no teatro espreitei pela cortina e fiquei com o sapato de alguém na cabeça. Depois disso, passei a olhar sempre para o sapato de alguém na plateia. Não precisava de o ver em pormenor, só de saber que estava ali. Tornou-se numa rotina", conta.

A jornalista ofereceu uma caneta da sorte e Gisela João um ramo de flores.

7. O momento alto do programa por um apresentador que já não faz parte das manhãs

Foi o momento alto do programa e, curiosamente, protagonizado por quem a partir desta segunda-feira já não fará parte das manhãs do canal. Falamos de Manuel Luís Goucha que, emocionado com a história de um casal que perdeu a sua casa de sonhos para um incêndio no dia de Natal, decidiu doar 35 mil euros para ajudar na reconstrução.

Patrícia e Sérgio perderam a casa no Natal passado, depois de um fogo destruir a habitação recém-construída na freguesia de Parrozelos, Arganil. Ficaram só com as roupas que tinham no corpo e vivem atualmente no posto médico da freguesia. "No dia 25 de dezembro, tivemos a visita dos pais e cunhados, almoçámos em família. Nessa noite fui dar o banho aos miúdos, estava a preparar o jantar e de repente o meu cunhado disse-me para ir ver que o telhado estava a arder. Desliguei a luz. Quando voltei, porque fui desligar a luz à cave, só tive tempo de pegar nos meninos e sair. Em 5 minutos já o fogo estava por todo o lado", relatou Sérgio.

Do caos (bom) de Cláudio Ramos à surpresa de Goucha, assim foi a estreia de

Questionado pelos apresentadores sobre quanto iria custar uma reconstrução, Patrícia e Sérgio disseram que, apoiados na opinião de dois peritos que estiveram no local, o valor rondaria os 30 e os 35 mil euros. "Lavado em lágrimas", Manuel Luís Goucha ligou para o programa a oferecer o dinheiro. "Os 35 mil euros vão ser colocados na conta. Sejam felizes", disse o apresentador.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.