"O Enfermeiro da Noite" é mais uma aposta da Netflix na onda das produções baseadas em crimes reais. O filme vai basear-se na história de Charles Edmund Cullen, um assassino que tem nas mãos o sangue de, pelo menos, 29 pessoas, tendo sido parcialmente responsável pela morte de outras 400 vítimas.

Durante 15 anos e oito hospitais, Cullen, a quem Eddie Redmayne (vencedor do Óscar de Melhor Ator em 2015, pelo filme "A Teoria de Tudo") dá vida, conseguiu ir matando os pacientes ao administrar-lhes doses letais de medicamentos, como insulina. No entanto, ainda que este thriller incida sobre a história do criminoso, também vamos conhecer quem desmantelou o esquema que este utilizava para matar os pacientes.

A responsável é Amy Loughren, enfermeira e mãe solteira, interpretada pela vencedora do Óscar de Melhor Atriz deste ano, Jessica Chastain. Depois de anos a sentir-se emocionalmente esgotada na unidade de cuidados intensivos em que trabalhava, a chegada de Charles ao hospital deu-lhe algum alento – e, ao passar cada vez mais tempo com o novo colega no turno da noite, foram desenvolvendo uma amizade muito forte.

"The TikTok Man". Vem aí uma série documental sobre o homem que abusou de mais de 400 mulheres
"The TikTok Man". Vem aí uma série documental sobre o homem que abusou de mais de 400 mulheres
Ver artigo

Pela primeira vez, Amy sentiu que algo fazia sentido na vida, encarando o seu futuro e das filhas de forma positiva e esperançosa. Mas não tardou até haver uma reviravolta na vida de Amy e, fundamentalmente, no Somerset Medical Center, em Somerville, Nova Jérsia.

De repente, o hospital é assolado por uma onda de mortes dos pacientes (e bastante misteriosas, por sinal). E ninguém percebia que o responsável era Cullen, quando tratava dos doentes fora de horas. Os acontecimentos dão origem a uma investigação, na qual Charles conquista o lugar de maior suspeito – e Amy vê-se obrigada a arriscar a vida e a segurança das filhas para descobrir a verdade.

E conseguiu. Em 2003, cerca de 15 anos depois de o assassino ter começado a cometer estes crimes de hospital em hospital, Amy obteve a confissão. No entanto, a sua identidade só foi revelada 10 anos mais tarde, no livro “The Good Nurse”, de Charles Graeber. É exatamente nessa obra que se baseia o argumento desta produção, encabeçado por Krysty Wilson-Cairns, e com a realização do cineasta dinamarquês Tobias Lindholm.

O filme estreou nas salas de cinema norte-americanas a 19 de outubro. Por cá, vai direto para catálogo português da Netflix esta quarta-feira, 26 de outubro.

Veja o trailer.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.