"The Last Dance" é um dos documentários mais comentados nas redes sociais, por entusiastas ou não de basquetebol, e está também envolto em polémica devido não só à forma como Michael Jordan é representado ao longo de cada episódio enquanto estrela dos Chicago Bulls, mas também pela forma como vários companheiros são apresentados. Scottie Pippen, Horace Grant e Charles Barkley são dos principais críticos do 23 dos Bulls.

A produção da Netflix, produzida em parceria com o canal de desporto americano ESPN, foca-se no ano de 1998, ainda que recue e avance várias vezes no tempo, para dar a conhecer o último ano da dinastia vencedora dos Chicago Bulls — a equipa que, em oito anos, ganhou seis campeonatos. E ao longo dos dez episódios de "The Last Dance", é dado a conhecer ao espectador o background de todos os jogadores que ajudaram a equipa ao longo de todo o campeonato, sempre na perspetiva de Michael Jordan. No entanto, o desenrolar da história tem sido tudo menos consensual.

Os primeiros Air Jordan usados por Michael Jordan foram vendidos por preço recorde
Os primeiros Air Jordan usados por Michael Jordan foram vendidos por preço recorde
Ver artigo

Em parte porque alguns dos seus colegas, aqueles que antes foram considerados irmãos por Jordan, têm vindo a público criticar a forma como eles — até o próprio Michael Jordan — foram representados no documentário.

E as primeiras acusações surgiram por parte de Horance Grant, basquetebolista e colega de Michael Jordan nos Chicago Bulls durante o primeiro tricampeonato. Isto porque em "The Last Dance" Jordan insinua que Grant foi uma das fontes do jornalista Sam Smith para o livro "Jordan Rules" — que explorou alguns dos conflitos internos que existiam dentro do grupo.

Horace Grant negou qualquer envolvimento no livro e adiantou ainda que esta era só mais uma prova de que Michael Jordan era uma pessoa rancorosa. "Isso [a acusação de ser uma das fontes] é mentira. Se o Michael Jordan tiver algum problema, poderemos sempre resolver as coisas com homens: falando", explicou o jogador em entrevista à radio ESPN 1000 de Chicago.

E continuou: "Eu e o Sam sempre fomos grandes amigos e ainda somos. Mas por respeito ao balneário e à equipa, nunca seria capaz de contar coisas pessoais cá para fora. O Sam Smith era um jornalista de investigação e precisava de duas fontes para escrever um livro. Porque é que só eu é que fui acusado?"

Mas Grant não se ficou por aí e conclui que o ataque de Jordan só se poderia dever a rancor. "Só pode ser rancor e ele provou-o nisto que apelidou de documentário. Quando dizes algo sobre ele, ele simplesmente põe-te de lado e tenta destruir o teu caráter. Disse que eu é que era o bufo mas, ainda assim, passados 35 anos, divulgou que no seu primeiro ano nos Bulls entrou no quarto de um dos seus colegas de equipa e viu erva e cocaína. Como é que chamas bufo a alguém e fazes exatamente a mesma coisa?", explicou.

Michael Jordan não reagiu à resposta do ex-colega mas, e segundo terá dito Horace Grant, os dois já não têm uma boa relação. Mas Grant não foi o único a sair ao ataque pela forma como foi caracterizado em "The Last Dance".

Scottie Pippen, considerado o segundo melhor jogador de NBA da altura, e o braço-direito de Michael Jordan, está "furioso" pela forma como foi retratado no documentário. Em causa está o momento em que, no segundo episódio da série, Jordan fala da atitude "egoísta" do colega em ter adiado uma cirurgia que o obrigou a falhar 35 jogos na primeira metade da temporada de ouro dos Chicago Bulls que decorreu entre 1997 e 1998.

"O Scottie errou porque ele podia ter feito a cirurgia logo no final da temporada anterior para que pudesse estar pronto para a seguinte. Mas não. Tentou usar isso como forma para renegociar o seu contrato", explicou Jordan no documentário. De facto, Pippen foi de férias no final de 1997, quando já estava lesionado, e esperou que a época seguinte começasse para ser operado — perdendo metade do campeonato. Jordan considerou que o colega foi desleal e Pippen não terá gostado das palavras do ex-colega, segundo revela a mesma rádio.

Também Charles Barkley, ex-basquetebolista e, antes, um grande amigo de Michael Jordan, lamenta, depois de ter visto o documentário, que a amizade entre os dois se tenha deteriorado drasticamente.

Quem é a Juanita Vanoy, a mulher que foi casada durante 17 anos com Michael Jordan e que foi apagada do documentário da Netflix
Quem é a Juanita Vanoy, a mulher que foi casada durante 17 anos com Michael Jordan e que foi apagada do documentário da Netflix
Ver artigo

E a quebra dos laços terá acontecido em meados de 2012 quando Barkley, agora comentador de basquetebol, explicou que enquanto Michael Jordan continuasse a contratar pessoas que fossem incapazes de o criticar ou discordar das suas opiniões, este nunca seria capaz de fazer "um bom trabalho" à frente da equipa Charlotte Bobcats.

Desde então que a relação entre os dois nunca mais foi igual, facto que Barkley lamenta. "O Michael foi como um irmão para mim durante 20 e poucos anos. E sinto-me muito triste que tenha culminado nisto, mas para mim ele continua a ser o melhor jogador de basquetebol de todos os tempos."

"The Last Dance" conta com dez episódios e está disponível em exclusivo na Netflix.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.