Na gala do "Big Brother" deste domingo, 10 de outubro,  Ana Barbosa fez a "Curva da Vida". A concorrente tem 42 anos e viveu "uma vida muito triste", assumiu a própria.

"Big Brother". Conheça os quatro nomeados desta semana
"Big Brother". Conheça os quatro nomeados desta semana
Ver artigo

Em lágrimas do princípio ao fim, a "capitã Barbosa" começou por falar do pai, alcoólico, que exercia violência doméstica sobre Ana e a mãe. "Chegou a apontar uma arma à minha mãe para a matar e eu vi isso tudo."

Depois de anos como vítima, um dia, a mãe disse-lhe que não voltaria mais para casa, o que se concretizou. A concorrente recordou que, nesse dia, o pai regressou bastante bêbedo, e Ana apenas conseguiu verbalizar um pedido: "Por favor, não me faças nada". Mais tarde, a mãe tentou contactá-la, mas Ana sentia muita raiva. "Tenho medo de ficar no escuro porque é um abandono."

O primeiro amor foi aos 15 anos, por um jovem muito rebelde, o "mauzão da escola".  A relação terminou com uma traição e quase levou ao suicídio da concorrente, que revelou ter desejado matar-se no dia em que soube. Depois de atingir a maioridade, saiu de casa.

Cansada de sofrer, em 2003 emigrou para a Suíça, onde arranjou trabalho a limpar casas de banho. Seis anos depois, recebeu a notícia de que o pai estava bastante doente, acabando por falecer, em janeiro de 2009. Relembrando o funeral, partilhou o que um miúdo lhe disse: "O teu pai foi espetacular para mim. Ele é como se fosse um pai para mim". A emigrante desabou em choro, por não sentir que o pai tinha desempenhado o mesmo papel consigo.

No ano seguinte, conheceu Ricardo, o marido, com quem vive na Suíça. "É o homem da minha vida, é o equilíbrio", sublinhou. Durante uma viagem que fizeram à Polónia, em 2018, Ana Barbosa sentiu-se mal e descobriu um cancro no estômago, que superou com sucesso.

O casal nunca quis ter filhos, mas acabou por acontecer, em 2020. "A Pilar foi a minha salvação, porque eu nunca ia saber o que tinha o útero se não estivesse grávida", revelou a concorrente, referindo-se ao cancro no útero, que descobriu com a gravidez.

Apesar de todo o sofrimento e de não poder afirmar que gosta da sua "Curva da Vida", Ana Barbosa acredita que tinha que ser assim. No confessionário, em conversa com os apresentadores, mencionou que é muito perspicaz, atenta e que consegue ouvir três ou quatro conversas em simultâneo. "Tinha tanto medo do meu pai que só os passos dele, só as chaves na porta, eu sabia que ele estava a chegar."

A Cláudio Ramos e Manuel Luís Goucha assumiu, ainda, que o pai era exemplar como militar, mas era incapaz de mostrar afeto pela filha, e foi apenas depois da sua morte que soube o bem que dizia de si, como filha. Sobre a mãe, disse que a relação, atualmente, é próxima, mas funciona melhor quando a concorrente está fora de Portugal.

Ana Barbosa receia não ter sido uma boa filha. "Podia ter dado, sei lá, mais carinho ou mais conforto e se calhar não dei", contou aos apresentadores. Já do seu papel como mãe não duvida e, apesar de não ter conseguido filar da filha, Pilar, de 1 ano e meio, pelas saudades que sente, definiu-se como carinhosa.

"Quero mais um desafio na minha vida, é por isso que estou aqui". Ana Barbosa foi a primeira concorrente a entrar na casa da Malveira e pretende ser a última a sair.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.