Os primeiros resultados são promissores: a vacina desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford revelou uma forte resposta imune e parece ser segura, uma vez que mostra causar poucos efeitos secundários. Ainda assim, "há muito trabalho a ser feito", revela Sarah Gilbert, professora e co-autora do estudo da Universidade de Oxford, antes de se poder confirmar que a vacina vai ajudar no combate à pandemia, diz ao jornal "The Independent".

Pelo menos é já um avanço na vacina que em abril deixou grandes expetativas, assim que arrancaram testes com cerca de mil voluntários, entre os 18 e os 55 anos. Na altura, a co-autora do estudo revelou que "se tudo correr perfeitamente”, a vacina estará pronta em setembro, depositando ainda uma confiança na ordem dos 80% de que a vacina seria eficaz.

COVID-19. Vacina entra na fase final de estudo (e há um sintoma da doença ao qual deve estar atento)
COVID-19. Vacina entra na fase final de estudo (e há um sintoma da doença ao qual deve estar atento)
Ver artigo

Essa certeza está agora mais próxima de se confirmar depois dos dados mais recentes divulgados sobre a vacina: "Estamos a observar uma boa resposta imunológica em quase todas as pessoas. O que essa vacina faz particularmente bem é acionar as duas vias do sistema imunológico", disse Adrian Hill, diretor do Instituto Jenner da Universidade de Oxford, em comunicado, de acordo com a SIC Notícias.

Essa resposta imunológica é produzida duplamente em pessoas de 18 a 55 anos de idade, provocando uma resposta de células T dentro de 14 dias após a vacinação e uma resposta de anticorpos após 28 dias, de acordo com o estudo publicado esta segunda-feira, 20 de julho, na conceituada revista cientifica Lancet.

As células T são um tipo de glóbulo branco que ajuda a coordenar o sistema imunológico e é capaz de identificar que células do corpo foram infectadas e destruí-las. Já os anticorpos são pequenas proteínas produzidas pelo sistema imunológico que ficam na superfície dos vírus.

No entanto, o investigador Andrew Pollard reconhece que ainda não é conhecida "a quantidade certa para uma proteção segura", mas é possível "maximizar as respostas com uma segunda dose", explicou à BBC.

Quanto a efeitos secundários, os voluntários não desenvolveram nada grave, ainda que em 70% das pessoas fossem registados sintomas de febre ou dor de cabeça depois de tomar a vacina, chamada de ChAdOx1 nCoV-19. Contudo, os investigadores revelam que esses efeitos podem ser reduzidos com o uso de paracetamol.

A próxima fase de testes à vacina de Oxford vai envolver 10 mil pessoas no Reino Unido, 30 mil nos EUA, 2 mil na África do Sul e 5 mil no Brasil. No entanto, a investigadora Sarah Gilbert nota que é essencial continuar os testes à vacina da Universidade de Oxford, e é preciso "aprender mais sobre o vírus — por exemplo, ainda não sabemos quão forte é a resposta imune que precisamos provocar para proteger efetivamente contra a infecção por Sars-CoV-2 ”.

Perante os novos desenvolvimentos, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já reagiu, dizendo: "Obviamente, estou esperançoso, estou com os dedos cruzados, mas dizer que estou 100% confiante de que vamos receber uma vacina este ano, ou mesmo no próximo ano, é apenas um exagero", acrescentando ainda no Twitter que "não há garantias, ainda não estamos lá e mais testes serão necessários — mas este é um passo importante na direção certa".

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.