Até esta quinta-feira, 10 de dezembro, já morreram mais de 114 mil pessoas em Portugal em 2020, de acordo com os dados disponíveis na plataforma de vigilância de mortalidade nacional do Ministério da Saúde. Este número esteve perto de alcançar em 2018, em que se registaram 113.051 óbitos, mas o limite foi ultrapassado e representa um recorde da mortalidade em Portugal nos últimos 70 anos.

O valor registado em 2020 é mais elevado do que em qualquer ano, completo, desde 1949, de acordo com a TSF, e comparativamente ao ano passado, o número de mortes registadas em 2020 é superior em nove mil.

A pandemia é o fator mais contribui para este número, ao qual se junta o envelhecimento da população — que tem sido nas últimas décadas um dos maiores responsáveis pelo aumento do número de óbitos.

Covid-19. Até fevereiro, vacinas podem chegar a 950 mil pessoas, garante coordenador
Covid-19. Até fevereiro, vacinas podem chegar a 950 mil pessoas, garante coordenador
Ver artigo

Numa retrospetiva de 2020, dezembro e janeiro são os meses com maior número mortes, na sequência da gripe e de infeções respiratórias e a região Norte e de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) são as que registam mais óbitos. Além das cerca de 5 mil mortes por COVID-19, há 8 mil mortes por doença este ano e mais mortes em investigação.

Se a tendência de subida da mortalidade continuar, estima-se que 2020 deve acabe com um total de mais de 120 mil óbitos, segundo a TSF.

Apesar de este ano registar números atípicos, a presidente da Associação Portuguesa de Demografia, Ana Alexandre Fernandes, revela que isso não significa, provavelmente, que a COVID-19 tenha provocado uma descida da esperança média de vida.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.