"Boa noite, Europa, sonhos bons e confortáveis". Foi esta a frase que fez com que este pai, adormecido com o filho nos braços, se tornasse num dos principais símbolos da guerra na Ucrânia. Numa publicação do parlamento ucraniano no Twitter, este homem surge no chão, entre mantas, garrafas e prateleiras, com o seu bebé recém-nascido no colo, mas é a sua história que tem corrido o mundo desde a passada sexta-feira, 11 de março.

Guerra na Ucrânia. Ataque russo a edifício residencial em Kiev faz pelo menos dois mortos
Guerra na Ucrânia. Ataque russo a edifício residencial em Kiev faz pelo menos dois mortos
Ver artigo

Falamos do biatleta Bogdan Tsymbal, natural de Sumy, uma das principais zonas de ataque das tropas russas na Ucrânia. Segundo o jornal "Observador", há pouco menos de um mês, no exato dia em que Vladimir Putin se encontrou com Xi Jinping na China e saudou a relação política entre os dois países, o atleta ucraniano estava a viver um sonho enquanto participava pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de inverno, em Pequim.

Agora, recusa-se a abandonar o refúgio subterrâneo em Chernihiv, onde tem estado escondido, com a mulher e o bebé, desde o arranque da guerra. Não sai para rigorosamente nada e os treinos de biatlo (uma competição individual que envolve dois desportos em simultâneo: esqui de corta-mato e uma espécie de tiro ao arco) foram imediatamente deixados em suspenso.

Este jovem de 24 anos estreou-se competições internacionais em 2016, mas foi nos Europeus juniores de 2018 que ganhou a primeira medalha na modalidade, avança a mesma publicação, que caracteriza o biatlo como uma das modalidades mais queridas na Ucrânia. Em 2021, arrecadou o primeiro lugar do pódio, desta vez nos Europeus absolutos, mas só este ano é que conseguiu viver o sonho de uma vida: representar o país nos Jogos de Pequim.

Bogdan Tsymbal
créditos: Twitter

Atleta refugia-se em Chernihiv, mas a cidade está sob ataque

Agora, encontra-se em Chernihiv, até à data em segurança. No entanto, a cidade está na mira das tropas russas há cerca de uma semana: casas, hospitais e bibliotecas já foram alvo de bombardeamentos. Lesia Volodymyrivna Vasylenko, deputada do parlamento ucraniano, já partilhou também uma imagem de um prédio completamente destruído na mesma região, que fica no norte da Ucrânia.  "Apenas algumas horas de sono e tudo isto acontece", lê-se.

Já esta segunda-feira, 14, de acordo com o "Correio da Manhã", pelo menos três bombas aéreas russas OFAB-500 foram retiradas por especialistas em Chernihiv. No foco de um dos ataques, segundo se sabe, estaria um apartamento. 

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.