A guerra começou há pouco mais de 24 horas. O número de ucranianos mortos já ultrapassa uma centena e mais de 100 mil cidadãos já abandonaram as suas casas. Depois de Vladimir Putin ter ordenado a invasão da Ucrânia durante a madrugada desta quinta-feira, 24 de fevereiro, os avanços militares não dão sinais de abrandar. No segundo dia de conflito armado, Kiev, a capital ucraniana, também já está sob ataque.

Na madrugada desta sexta-feira, 25 de fevereiro, a capital foi atingida por dois mísseis balísticos de cruzeiro, enquanto as tropas russas cercavam a cidade. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, já discursou à nação e fez um novo balanço, que dá conta de 316 feridos e 137 mortos do lado ucraniano, sendo que, destes, pelo menos duas crianças já morreram na sequência de um bombardeamento russo.

Guerra na Ucrânia. Depois dos bombardeamentos, tropas russas entram em Kiev
Guerra na Ucrânia. Depois dos bombardeamentos, tropas russas entram em Kiev
Ver artigo

Zelensky lamentou o facto de a Ucrânia "estar sozinha a defender-se", e assegurou que permanecerá em Kiev apesar de ser o "alvo número 1" da Rússia. Ainda assim, milhares de ucranianos encontram-se, agora, em situação de refugiados dentro do próprio país. E, à falta de um porto seguro, muitos procuram abrigo em estações de metro, como acontece em Kharkiv e Kiev.

Os homens com idade entre os 18 e os 60 anos estão proibidos de deixar a Ucrânia ao abrigo da lei marcial e já há imagens de pais a despedir-se dos filhos, enquanto estes são encaminhados para zonas alegadamente mais seguras. Mais do que um conflito armado, trata-se de uma crise humanitária. E, independentemente do espectro geopolítico, toda a ajuda é bem-vinda.

Informar-se sobre o assunto é um primeiro passo importante, mas há muito mais que pode fazer, mesmo à distância. Através de doações a organizações não-governamentais (ONG), acolhimento de refugiados e até apoio ao jornalismo ucraniano é possível ajudar o país e prestar apoio, ainda que de forma indireta, às vítimas do conflito. Deixamos uma lista com o que pode fazer para ajudar.

1. Sunflower of Peace

Trata-se de uma organização que ajuda paramédicos e médicos e arrecada fundos para fornecer mochilas de primeiros socorros tanto a civis como a profissionais de saúde.

Cada mochila tem a capacidade de salvar até 10 vidas: entre soldados ucranianos, civis, voluntários e crianças. No seu interior, encontram-se recursos como ligaduras, medicamentos anti-hemorrágicos e alguns instrumentos médicos. "Por favor, doe qualquer valor: grande ou pequeno, tudo faz uma enorme diferença", pode ler-se na página da iniciativa no Facebook. 

Pode contribuir aqui.

2. Come Back Alive

É uma instituição, com sede em Kiev, capital da Ucrânia, que está a arrecadar fundos para os militares do país, com o objetivo de garantir que soldados e voluntários têm suprimentos para resistir à invasão russa. Assim que entra no site da Come Back Alive (que, em português, significa "regressem vivos"), tem a opção de apoiar monetariamente o projeto ou diretamente o exército ucraniano.

Pode contribuir aqui.

3. Cruz Vermelha Ucraniana

A organização afirma que as doações ajudarão a fornecer "recursos urgentes" como comida, água, combustível, material médico e apoio à habitação às vítimas do conflito.

Até à data, a organização já ajudou "a reparar milhares de casas danificadas no conflito, hospitais e centros de saúde primários, escolas e centros comunitários", disse Eliza Gorham Shaw, porta-voz do Comité Internacional da Cruz Vermelha, ao jornal  "Los Angeles Times".

Pode contribuir aqui e obter mais informações sobre o trabalho efetivo da organização internacional no site oficial. .

4. People in Need 

Esta organização sem fins lucrativos está a fornecer ajuda humanitária a mais de 200 mil pessoas no local. Enquanto facilita, a quem mais necessita, o acesso a pacotes alimentares, abrigos de emergência, água potável, assistência financeira, entre outros.

Para efetuar qualquer envio monetário, basta aceder ao site, escolher a opção "SOS Ukraine" e, por fim, selecionar o valor pretendido para a doação (em euros ou hryvnia).

5. Army SOS

"Está pronto para ajudar o exército [ucraniano] hoje? Amanhã pode ser tarde demais". É este o mote da iniciativa Army SOS, destinada a apoiar os soldados ucranianos, seja através de munições, escudos ou até produtos alimentares.

Aqui, não existe qualquer atalho digital para efetuar qualquer doação monetária, mas encontra todos os dados de que precisa para realizar uma transferência bancária.

6. United Help Ukraine

"À luz dos recentes desenvolvimentos na fronteira com a Ucrânia e da escalada das ameaças russas de invadir a Ucrânia, a United Help Ukraine (UHU) está a trabalhar para fornecer kits de primeiros socorros individuais que salvam vidas (IFAKs contendo ligaduras e torniquetes para parar o sangue) outros suprimentos médicos de emergência para a linha da frente", lê-se na página de Facebook da organização, através da qual pode contribuir.

Importa ainda referir que a associação está também a cooperar com outras organizações para fazer chegar ajuda humanitária a civis diretamente afetados.

Apoiar o jornalismo

Apoiar os principais órgãos de comunicação da Ucrânia é, principalmente perante um conflito deste teor, uma das única formas de garantir que tem acesso a informação fidedigna sobre o que se passa no país. Para apoiar o jornalismo independente de língua inglesa da Ucrânia, pode apoiar o jornal "The Kyiv Independent", por exemplo — através de Patreon ou GoFundMe.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.