Alexandra Ocasio-Cortez, membro da Casa dos Representantes e congressista democrata pelo estado de Nova Iorque, falou na segunda-feira, 1 de fevereiro, através de um direto no seu Instagram, sobre o facto de ter sido uma das presentes na invasão do Capitólio, a 6 de fevereiro, e sobre como esta experiência a relembrou da sua história como sobrevivente de um ataque sexual.

Na transmissão, que durou cerca de 1h30 e está agora disponível na sua conta de Instagram, Ocasio-Cortez começa por relatar os acontecimentos de 6 de janeiro: escondeu-se numa casa de banho do seu escritório quando os manifestantes invadiram o capitólio. Enquanto homens batiam nas paredes, ouviu um dos invasores a dizer: “Onde é que ela está? Onde é que ela está?”.

Temeu pela sua vida, admitiu à audiência com mais de 150 mil pessoas que assistiam ao seu direto. “Pensei que ia morrer”, disse. “Tive muitos pensamentos. Se este for o meu plano, as pessoas vão conseguir assumir a partir daqui.”

Depois deste acontecimento, aconselharam-na a “seguir em frente”. E é aí que Cortez faz a ponte para outro episódio: esse conselho, admite,  deixa-a frustrada, sendo a mesma sugestão que tendencialmente se faz a sobreviventes de agressões sexuais.

“Estas pessoas dizem-nos para seguir em frente, que não é nada de especial, que devemos esquecer o que aconteceu, e até nos dizem que nos devemos perdoar — essas são as mesmas táticas dos abusadores”, disse. “Eu sou uma sobrevivente de um ataque sexual”, admite. “E eu não contei a muitas pessoas na minha vida. Mas quando passamos por um traumas, os traumas acumulam-se.”

O incidente de 6 de fevereiro aconteceu depois da recém-eleita congressista do distrito de Nova Iorque ter regressado ao escritório, após ter recebido a vacina contra a COVID-19. “Eu percebi logo que não devia ter ido para a casa de banho. Eu devia ter entrado no armário”, disse. “Depois ouvi que alguém a abrir a porta do meu escritório, e a gritar outra vez: 'Onde é que ela está?'", conta. “Foi nesse momento que achei que tudo tinha acabado. Pensei que ia morrer.”

Atiçados por Donald Trump, manifestantes invadem Capitólio para sabotar transição de poder
Atiçados por Donald Trump, manifestantes invadem Capitólio para sabotar transição de poder
Ver artigo

De lágrimas nos olhos, a congressista continuou a relatar: “Comecei a olhar para a dobradiça da porta e consegui ver alguma coisa. Vejo este homem branco com um gorro preto que gritou novamente”, lembra. “Nunca estive tão quieta em toda a minha vida.”

Entretanto, um funcionário veio dizer que já era seguro sair da casa de banho. Ao sair da casa de banho, também viu um polícia. "Ele estava a olhar para mim com imenso zanga e hostilidade", conta.

"Primeiro, no meu cérebro e mente, pensei que como tinha vindo de uma experiência intensa, se calhar estava a projetar alguma coisa", acrescenta. Só que, ao falar com o colega, viu que o sentimento eram comum: "Ele também não sabia se ele estava lá para ajudar." "A situação parecia tão volátil com este policia, que eu agarrei na minha mala e começámos a correr", relembra.

Sem escolta policial, foi procurar abrigo nos escritórios da representante da Califórnia, Katie Porter.

O facto de ser latina e de os invasores serem supremacistas brancos e extremistas fez com que temesse ainda mais pela sua vida. Além disso, Ocasio-Cortez, que cumpre agora o seu segundo mandato no distrito de Nova Iorque, que engloba também parte do Queens e Bronx, está entre as pessoas eleitas com maior destaque do Partido Democrata.

Após os ataques, foi uma das que condenou fortemente Donald Trump por ter incitado os distúrbios, assim como a sua administração, que não evocou a 25.ª emenda para destituí-lo e removê-lo do seu posto. Esta medida constitucional é o último recurso para retirar os direitos e poderes a um presidente.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.