A história de Anne Frank é bem conhecida do grande público. O seu diário, que relata a experiência escondida num esconderijo durante a Segunda Guerra Mundial, tornou-se num retrato puro e genuíno da guerra. Décadas depois, ainda há textos inéditos da jovem que sonhava ser escritora um dia. E estão quase a chegar.

Pela primeira vez na história, vão ser publicadas as cartas que Anne Frank escreveu à sua avó paterna, Alice Frank-Stern, anos antes de ficar escondida num bunker com mais sete pessoas (sendo três delas o pai, a mãe a irmã mais velha, Margot). Segundo o “The Guardian”, as cartas terão sido escritas entre 1936 e 1941 — apenas uns meses antes de ter começado o seu diário, a 12 de junho de 1942.

O conteúdo das missivas é o típico de uma adolescente: reclamações da sua vida quotidiana, incluindo algumas queixas sobre o seu aparelho dentário, algumas discussões com os pais sobre o seu novo corte de cabelo e as preocupações com a roupa. “Vou ter um vestido novo, mas é muito difícil obter tecidos porque são necessários muitos cupões”, escreveu Frank em 1941.

Noutro momento, Anne conta à avó, que na altura viveria na Suíça, que gostaria de voltar a fazer patinagem no gelo mas que para isso seria necessário mais paciência e esperar que a guerra terminasse. “O papá prometeu-me uma viagem à Suíça para ver-vos a todos”, escreve a jovem na mesma ocasião.

Foram descobertas piadas picantes no diário de Anne Frank
Foram descobertas piadas picantes no diário de Anne Frank
Ver artigo

Numa carta escrita nos finais de 1941, Frank descreve um dia passado com duas amigas e um amigo. “Foi muito divertido, não me falta companheirismo no que diz respeito a rapazes”, escreveu. Curiosamente, uma das primeiras entradas do seu diário – que começou a escrever no seu 13.º aniversário – diz respeito a este mesmo tema. Anne Frank escreve que “Maurice Coster é um dos meus admiradores, mas é uma peste”.

A correspondência entre avó e neta é apenas um dos destaques da coleção “Anne Frank: The Collected Works”, que conta com diversas cartas, contos e entradas de diários, entre outros documentos escritos. Para além destes documentos, ainda se juntam à coleção fotografias e ensaios escolares escritos pela mesma.

A avó paterna de Frank morreu em 1953, oito anos depois de as netas terem falecido num campo de concentração. Em setembro de 1945, escreveu uma nota sobre o destino dos seus ente-queridos: “Margot e Anne foram levadas para Belsen uma vez que eram demasiado fracas para trabalhar. Margot apanhou tifo e morreu, Anne sabia que a mãe estava morta e acreditava que o pai estivesse morto também, por isso terá enfraquecido”.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.