Gabby Petito, a jovem youtuber de 22 anos cujo corpo foi encontrado a 19 de setembro no parque nacional de Wyoming, nos Estados Unidos, morreu estrangulada e terão decorrido três a quatro semanas entre o homicídio e a identificação do corpo pela polícia federal norte-americana (FBI), segundo os dados da autópsia revelados esta terça-feira, 12 de outubro, de acordo com a CNN.

"Acreditamos que foi estrangulada por um ser humano", disse o médico legista do condado de Teton, Brent Blue, durante uma conferência de imprensa online. A autópsia foi feita com recurso a uma tomografia computadorizada (TAC), exames patológicos e toxicológicos.

Polícia revela que suspeito da morte de Gabby Petito já estava a ser vigiado
Polícia revela que suspeito da morte de Gabby Petito já estava a ser vigiado
Ver artigo

Esta terá sido "apenas uma das muitas mortes em todo o país de pessoas envolvidas em casos de violência doméstica", lamentou Brent Blue. Contudo, uma vez que há apenas suspeitas de que terá sido Brian Laundrie, o namorado de Gabrielle Petito, a cometer o homicídio, o médico legista clarificou mais tarde à CNN que o comentário sobre a violência doméstica era "estritamente uma suposição".

Por estar limitado legalmente às informações que podia revelar, o médico legista não avançou mais detalhes sobre o assassinato de Gabby Petito. Sabe-se agora que os restos restos mortais da jovem de 22 anos estão numa casa mortuária no Wyoming.

O caso começou a ser investigado quando a 11 de setembro a jovem foi dada como desaparecida durante uma viagem de auto-caravana pelos EUA com o namorado, que desde início foi considerado suspeito. Depois de ter regressado a casa dos pais, já sem a namorada, Brian Laundrie não cooperou com as autoridades na investigação e acabou depois por desaparecer.

O jovem de 23 anos continua a ser procurado pelo FBI, que emitiu um mandado de captura, não pelo homicídio (sobre o qual não foi formalmente acusado), mas pelo uso não autorizado das contas bancárias de Gabby Petito dias após a morte da namorada.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.